Temer diz preferir derrota política de Lula

Temer diz preferir derrota política de Lula

Presidente afirma considerar democrática participação de petista em eleição para que não haja ´vitimização´ Em entrevista, emedebista vê como ´útil´ candidatura única de centro, mas não revela preferência

A poucos dias do julgamento do ex-presidente Lula no Tribunal Regional F ederal da 4a Região, marcado para quarta (24), Michel Temer diz que é melhor que o petista seja derrotado politicamente para não ser `vitimizado`.

A Folha Temer afirma que seria ideal o lançamento de um único candidato de centro, mas evitou falar qual seu preferido entre Henrique Meirelles (Fazenda), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o governador Geraldo Alcltmin (PSDB-SP).

Folha - Como vê o julgamento do Lula? Seria melhor que concorresse às eleições deste ano?

Michel Temer - Não posso dizer uma coisa que está sob apreciação no TRF. Agora, acho que se o Lula participar, será uma coisa democrática, o povo vai dizer se quer ou não. Convenhamos, se fosse derrotado politicamente, é melhor do que ser derrotado (na Justiça) porque foi vitimizado. A vitimização não é boa para o país e para um ex-presidente. Faço isso com todas as ressalvas, para não parecer que estou interferindo. Se o Lula não for candidato, o que muda no cenário eleitoral?

Muda um pouco porque ele está sempre cotado em primeiro lugar nas pesquisas. Evidentemente que isso vai agitar o meio político para saber quem é o candidato de centro que possa harmonizar e reunificar o país. Por mais que se diga que o povo quer assim ou assado, ele (povo) vai procurar alguém que seja capaz de continuar as reformas. O centro deveria ter um candidato único? Se fosse possível, seria útil. Por que `se fosse`? Não acredita?

Eu não acho fácil, mas isso não me desautoriza a pregar o ideal. O ideal seria isso. O senhor acha ideal para o governo ter um ministro da Fazenda e o presidente da Câmara dos Deputados em picuinhas eleitorais?

Isso faz parte do processo. Eu ouvi essa expressão na imprensa, de `picuinhas eleitorais`, mas são posições. O Henrique Meirelles disse uma coisa e o Rodrigo Maia disse outra coisa. Mas isso é natural, há divergências. Dos três nomes cotados, qual tem a maior possibilidade?

Faça essa pergunta a mim em maio deste ano. O senhor não pensa em ser candidato? Não, não penso. Nas pesquisas, o índice de rejeição ao sr. é bastante elevado.

Não há nenhum movimento popular para o meu afastamento. Houve duas denúncias desarrazoadas, ilegítimas e fruto de uma tentativa de derrubar o presidente. Você fotografou algum popular em frente ao Congresso? Nenhum. Agora, as pessoas têm vergonha de dizer que apoiam o governo. Porque há tanto essa história de corrupção e de porque o governo é corrupto que as pessoas ficam meio atemorizadas de dizer que apoiam. O sr. passou por três intervenções cirúrgicas e uma infecção. Terá condições de concluir o mandato? Pensou em se licenciar?

Basta olhar para mim. Não tive nem tempo de pensar (em licença). Sabe por quê? Porque eu não parei de trabalhar. Sei que correu muito essa história por aí, mas são daqueles que querem me matar, né? Se não conseguir aprovar a Previdência, acaba o governo? Não. Pelo contrário, continua. E continua firmemente com a simplificação tributária. Primeiro quero dizer que a possibilidade de aprovar a Previdência é muito grande, E a reforma não vai sair da pauta. Mesmo que eu queira. O Brasil tem sido tratado como café com leite no cenário internacional?

Essa história de dizer que o Brasil não ê reconhecido internacionalmente, com a devida vênia, não é verdadeira. O dinheiro que está aí fora, que procura lugar para investir, quer muito investir no Brasil. Mas no campo da diplomacia houve um declínio.

Não me parece muito, viu? Nesse período, o Brasil presidiu a CPLP (Comunidade dos Países da Língua Portuguesa) e o Mercosul. Fizemos reuniões e recebemos inúmeras autoridades estrangeiras. Talvez tenha perdido um certo charme. Convenhamos, quando Lula era o presidente, um ex-operário, isso tinha um certo charme, não é verdade? O papa Francisco havia prometido vir ao Brasil no centenário da Aparecida e não veio. Ele foi agora ao Chile e para o Peru e não quis passar pelo Brasil.

É que ele já veio ao Brasil. Quando ele veio, eu fiz o discurso de despedida e ele ficou tão sensibilizado que me disse: `Levo o Brasil no meu coração e na primeira oportunidade que eu tiver, eu volto ao Brasil`. Não ter vindo agora, não tem significado.

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino