Startups brasileiras são a 'menina dos olhos' da América Latina

Startups brasileiras são a 'menina dos olhos' da América Latina

Levantamento da Sling Hub mostra que, só até setembro deste ano, pouco mais de US$ 13 bilhões foram aportados nas startups na América Latina. O volume é 13 vezes maior que o registrado em 2016, quando investiu-se US$ 937 milhões. O Brasil é o que concentra a maior parte dessa cifra

Se neste ano as empresas brasileiras estão correndo atrás do prejuízo causado pela pandemia, que desencadeou uma crise econômica ainda sem perspectiva para acabar, o ecossistema de startups caminha no sentido oposto. É o que mostra o relatório Sling Hub Latam, que traz um panorama do mercado de inovação na América Latina com informações de 24,4 mil startups e 656 investidores localizados no Brasil, México, Chile, Colômbia, Argentina, Peru e Uruguai.

Este ano, até setembro, pouco mais de US$ 13 bilhões foram aportados no mercado de startups da América Latina. O volume é 13 vezes maior que o registrado em 2016, quando foram investidos US$ 937 milhões na região. Entre os países latino-americanos, porém, o Brasil é o que concentra a maior parte dos investimentos destinados para as novatas.

Do total dos US$ 13 bilhões registrados neste ano, US$ 9 bilhões, o equivalente a 70% do montante, foram diretamente para as empresas brasileiras. Em 2019 e 2020, os percentuais investidos nas startups verde e amarelo foram de 45% e 61%, nesta ordem. Ou seja, há um crescimento de participação do Brasil, que já era relevante, inclusive.

Para efeito de comparação, no ranking de países que mais recebem investimentos em startups, o México aparece em segundo colocado, bem abaixo do Brasil, com um volume de US$ 1,7 bilhão, o que representa 13% do total.

Desde 2016, além do Brasil, apenas um país arrecadou mais de 20% do volume investido anualmente na América Latina: a Argentina, em 2019, quando a fintech “Prisma Medios de Pago” se tornou um unicórnio - cresceu tanto que passou a ser avaliada em mais de US$ 1 bilhão.

Ainda considerando o intervalo de 2016 para cá, o montante investido entre os países latino-americanos chega a US$ 36 bilhões. Desse valor, US$ 22,9 bilhões dizem respeito aos aportes feitos somente em terras brasileiras.

O levantamento mostra que, das 10 maiores startups que mais receberam financiamento na América Latina, sete são do Brasil. Juntas, as empresas arrecadaram US$ 9,1 bilhões, o que representa 64% do total investido nos países desde 2016.

Ao todo, entre os latino-americanos, foram 5.175 rodadas de investimento - sendo 2.061 só no Brasil - a maior parte delas (48%) focada em volumes menores, de até US$ 1 milhão.

Fusões e aquisições (M&A's)
Conforme o estudo, além de o ecossistema de startups brasileiro estar à frente de outros países vizinhos, o número de fusões e aquisições (M&A’s) também se destaca: 83% de todas as novatas adquiridas na América Latina estão localizadas no Brasil.

Mesmo no auge da pandemia, em 2020, os M&A’s subiram 135% na comparação com o ano anterior e alcançaram 200 startups adquiridas. Segundo indicam os dados, 2021 tende a superar essa marca, visto que 195 empresas já foram adquiridas até o mês de agosto.

Entre as 10 principais compradoras de startups, a Magazine Luiza se destaca como a empresa mais ativa da América Latina. Além dela, outras sete companhias brasileiras estão entre as maiores adquirentes do mercado de inovação. E, fora o Brasil, a Argentina é o único comprador latino-americano da lista.

Unicórnios
No que diz respeito às startups unicórnios, aquelas que alcançam mais de US$ 1 bilhão em avaliação financeira, o relatório mostra que, até 2017, a Argentina era o único país da América Latina com empresas de inovação acima desse valor.

Em 2018, porém, em apenas um ano nasceram mais sete no Brasil (iFood, 99, PagSeguro, Nubank, Arco Educação e Ascenty), além de uma na Colômbia e outra no México. Ao todo, hoje a região tem 34 startups unicórnios, sendo 60% delas brasileiras, 17% argentinas e 11% mexicanas.

O levantamento também evidencia que, entre os 15 principais investidores de startups unicórnios, o conglomerado japonês Softbank ocupa o topo da lista com investimentos em 13 das 34 latino-americanas. Apesar da liderança, os Estados Unidos são o país com maior presença no ranking: oito dos 15 maiores investidores são norte-americanos.

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino