Soja e carnes: China suspende compras dos EUA e pode beneficiar Brasil

Soja e carnes: China suspende compras dos EUA e pode beneficiar Brasil

20:17 - De acordo com analista, caso a decisão se mantenha até a safra 2020/21, os prêmios da oleaginosa tendem a subir com bastante força nos portos brasileiros

O mercado mundial de soja começou junho com a notícia de que a China orientou suas empresas estatais a suspenderem as compras de soja e carne suína dos Estados Unidos, disseram fontes à Agência Reuters.

De acordo com o analista da Terra Agronegócio, Ênio Fernandes, a medida não teve grande repercussão na Bolsa de Chicago, que costuma refletir os acontecimentos do mercado interno norte-americano, porque o mercado não acredita que vá se manter. “O Brasil não tem muito mais soja para comercializar. Na Argentina, com as retenciones, as vendas são mais lendas. Então a China tem poucas opções”, diz.

Porém, segundo o especialista, caso a decisão se prorrogue ao longo da safra 2020/2021, o Brasil pode ser favorecido. “Teríamos um aumento nos prêmios interno, com forte disputa pela soja. E se no fim a China ainda precisar comprar dos EUA, podemos ter altas também em Chicago”, afirma.

No caso da carne suína, Fernandes acredita que o maior favorecido seria a União Europeia, grande fornecedora da proteína. “Claro que o Brasil vai ganhar mercado, não só da carne suína. Outras carnes vão precisar entrar para tapar o buraco deixado pela carne dos EUA”, pontua.

Em sua análise, o comentarista Miguel Daoud também aponta descrença do mercado em relação à decisão, mas caso se concretize pode favorecer o Brasil.

Daoud destaca que a tensão entre Estados Unidos e China não se dá por conta da pandemia de coronavírus. “Mas do senhor Donald Trump, que é candidato à reeleição e vem tentando angariar a confiança dos americanos, porque segundo pesquisas preditivas ele vai perder esta eleição. Então ele vem buscando arrumar um inimigo comum ao povo”, finalize.

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino