Sem âncora da economia e sob panelaço nacional

Sem âncora da economia e sob panelaço nacional

O aumento das negociações de ETFs também foi visto em outras partes do mundo. No México, o volume diário na semana de 9 a 13 de março bateu em US$ 1 bilhão, três vezes a média do mercado no ano passado.

Em casa. As empresas poderão ter de negociar aditivos nos contratos com funcionários para definir regras para o trabalho remoto, o home office, caso esse tipo de expediente seja mantido por muito tempo, segundo advogados dos escritórios TozziniFreire e Lobo de Rizzo, além do Ministério Público do Trabalho, consultados pela Coluna. Essa modalidade se tornou a principal alternativa de empresas para mitigar os riscos de propagação do coronavírus e, ao mesmo tempo, não interromper as atividades. Mas a legislação trabalhista prevê que as condições para o home office devem ser definidas em contrato. » A regra é clara. A lei prevê um aditivo contratual esclarecendo, por exemplo, se há algum tipo de despesa a ser compartilhada entre empregado e empregador (como energia elétrica ou internet), se há fornecimento de equipamento de trabalho (notebook, impressora, papel), se haverá alguma forma de controle de horário, entre outros pontos.

» Jeitinho. Advogados dizem que há um entendimento da Justiça de que o home office pode ser colocado em prática sem tantas exigências neste momento, enquanto for emergencial e provisório. Não há prazo legal para fazer os aditivos, mas se o home office deixar de ser provisório e se estender por muito mais de um mês, eles recomendam fazer ajustes nos contratos.

FERNANDA GUIMARíES, ALTAMIRO DA SILVA JUNIOR E CIRCE BONATELLI

O presidente Bolsonaro está desesperado porque contava com a aprovação de seu governo a partir do sucesso da economia, que ele julgava favas contadas. Imaginava que poderia ostentar neste ano crescimento do PIB de pelo menos 2,0% e, assim, arrancar legitimação para si próprio e para os candidatos que apoiará nas eleições de outubro.

Mas o presidente já não pode contar com a âncora econômica. Quem projeta crescimento zero para este ano pode estar sendo otimista demais. Mais provável é que o País mergulhe na recessão. De que amplitude será essa queda é coisa sujeita a todo tipo de aposta.

Se os shoppings começam a fechar, se o comércio não essencial vai cerrar as portas e se as vendas no varejo de produtos essenciais serão racionadas, como já decidiram o Pão de Açúcar e o Carrefour, como ficará o comércio, o setor de serviços e o resto? Parece inevitável algum socorro às companhias aéreas e à rede de hotelaria.

Nesta quarta-feira, o Banco Central derrubou os juros básicos (Selic) em mais meio ponto porcentual, para os 3,75% ao ano. Não será decisão que expandirá o consumo. Sua função real será proporcionar espaço financeiro para alívio dos endividados, especialmente para as empresas que poderão, assim, renegociar seus passivos em melhores bases. Fica a dúvida se um corte maior dos juros faria diferença.

Também é decisão que tem lá certo impacto fiscal, na medida em que poderá derrubar as despesas com juros do passivo do Tesouro em alguma coisa próxima dos R$ 8,5 bilhões por ano, nos cálculos conservadores do economista Fabio Klein, da Tendências Consultoria. Como, no entanto, as despesas com os juros da dívida federal não sangram o caixa, porque são incorporadas à dívida, não haverá por isso alívio imediato nas finanças públicas.

Mais importante do que esse tombo dos juros para patamares inéditos seria a decisão de irrigar a economia com liquidez, como estão fazendo todos os bancos centrais das maiores economias do mundo, providência ainda não tomada. Nessa calamidade pública, talvez seja a hora de colocar em prática a recomendação do economista Milton Friedman: despejar dinheiro de helicóptero, como fizeram os grandes bancos centrais durante a crise financeira do subprime, em 2008.

Os compromissos financeiros atingem a todos num ambiente de queda abrupta de faturamento e de renda. Estamos numa economia de guerra, cuja prioridade é conter a pandemia. Os inevitáveis efeitos colaterais ficam para serem contra-atacados quando der.

A principal questão política está em aberto. Se Bolsonaro não pode mais contar com a economia, como tentará garantir apoio para seguir adiante? Também não pode sair vitorioso contra o vírus, porque desdenhou da pandemia e nega compulsivamente os fatos. Num momento em que o País precisa de confiança e de liderança, o capitão do barco ignora a tempestade. Agora vai levando panelaços, fator decisivo na queda da presidente Dilma.

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino