Segundo o instituto, 48% rejeitam abertura de processo para impedir o presidente Boisonaro, medida defendida por 45%.

Segundo o instituto, 48% rejeitam abertura de processo para impedir o presidente Boisonaro, medida defendida por 45%.

Pesquisa Datafolha divulgada ontem mostra que a população brasileira se divide sobre a abertura de um processo de impeachment contra Jair Bolsonaro (sem partido).

O presidente, revela o estudo, ainda mantém apoio de 33% da população, mesmo após as denúncias feitas pelo ex-ministro da Justiça Segio Moro, que, ao deixar o cargo, acusou Bolsonaro de tentar interferir nas investigações da Polícia Federal. De acordo com o levantamento feito ontem mesmo por telefone foram ouvidas 1.503 pessoas, e a margem de erro é de três pontos percentuais , 45% querem que a Câmara dos Deputados abra um processo de impeachment contra o presidente, enquanto 48% rejeitam a medida, e outros 6% não souberam opinar. Até a última sexta-feira, 29 pedidos de impeachment contra Bolsonaro haviam sido protocolados na Câmara dos Deputados. Mas apenas um deles foi apreciado pelo presidentedaCâmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). O pedido, no entanto, foi indeferido por se tratar de denúncia anônima, o que é vedado pelo regimento interno da Câmara. Ontem, Maia disse que qualquer processo de impeachment deve ser pensado com `muito cuidado`. Processos de impeachment e possibilidade de CPIs precisam ser pensadas e refletidas com muito cuidado. Acredito que o Pesquisa foi feita ontem, por telefone, com 1.503 entrevistados

papel da Câmara dos Deputados nesse momento, nos próximos dias, é que a gente volte a debater, de forma específica, a questão do enfrentamento ao coronavírus afirmou Maia ao ser questionado pela imprensa. O apoio à renúncia do presidente cresceu em relação auma pesquisa feita, também por telefone, entre os dias 1 a 3 de abril. Para 46%, esse é o caminho correto e 50% são contra a inciativa. Em abril, 59% eram contra a renúncia e 37% a favor. O Datafolha constatou que Moro mantém uma imagem positiva entre os brasileiros. Seu trabalho foi considerado ótimo ou bom por 64%. Já 22% o julgam regular e apenas 8% o reprovam. Sua aprovação não varia se forem considerados os que aprovam (62%) e os que desaprovam (63%) o governo Bol- A pesquisa perguntou também se a população acredita que o presidente pretende intervir politicamente na Polícia Federal. Dos entrevistados, 56% disseram que sim. Já 28% avaliam que o presidente não tem essa intenção. O apoio a Moro chega a 68% entre os que possuem ensino superior. Não foi registrada grande mudança na avaliação geral do presidente detectada em uma pesquisa realizada em dezembro de forma presencial. Na pesquisa atual, consideram Bolsonaro ruim ou péssimo 38%, contra 36% do último levantamento. Outros 33% o avaliam como bom ou ótimo (antes eram 30%) e 26%, como regular. Em dezembro, o índice era de 32%. A melhor avaliação do presidente se concentra nas regiões Norte e Centro-Oeste, com 41% de aprovação, e entre os mais ricos (40%). A maior rejeição é entre os nordestinos (43%) e moradores do Sudeste (41%). O Datafolha também questionou os entrevistados sobre a guerra de versões entre Moro e Bolsonaro 89% dos pesquisados informaram que sabiam que o exjuiz tinha deixado o governo. Para 52% dos ouvidos, o exministro é quem fala a verdade no caso das tentativas de interferência nas atividades da PF. Já 20% acreditam em Bolsonaro, que nega as acusações. Outros 6% não creem em nenhum dos dois. Para 3%, ambos estão certos. Enquanto 19% não souberam responder. Para 43% dos entrevistados pelo Datafolha, o combate à corrupção no pai s vai piorar com a saída do ministro. Outros 21% entendem que vai melhorar e 26% acreditam que tudo ficará como está. Justiça determina divulgação de exames > Em resposta a um pedido do jornal `0 Estado de S.Paulo`, a Justiça Federal determinou ontem que o presidente Jair Bolsonaro divulgue o resultado de seus testes para Covid-19.AUniãoteráum prazo de 48 horas para apresentar os laudos de todos os exames do presidente para identificar uma possível contaminação pelo novo coronavírus. Em todas as ocasiões, o presidente negou que estivesse doente. Mas se recusou a apresentar os resultados. > `No atual momento de pandemia que assola nãosóoBrasil.maso mundo inteiro,osfundamentosda República não podem ser negligenciados, em especial quanto aos deveres de informação e transparência`, afirmou a juíza Ana Lúcia Petri Betto. AAdvocacia-Geralda União enviou à Justiça Federal de São Pau Io manifestação contrária à divulgação dos resultados dos exames. O `Processos de impeachment e possibilidade de CPIs precisam ser pensadas e refletidas com muito cuidado` Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados Pesquisa. Bolsonaro na rampa do Planalto: presidente mantém apoio de 33% da população mesmo após a saída do ex-juiz Sérgio Moro da pasta da Justiça

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino