A reforma é do país, não do governo

A reforma é do país, não do governo

Projeto exige ajustes, mas para isso existem o Congresso e o debate na sociedade

A reforma administrativa demanda uma análise ponderada. É evidente que o projeto apresentado pelo governo exige ajustes e deve ser aperfeiçoado. É exatamente para isto que existe o Congresso e o de bate em curso na sociedade.
Há itens que me parecem insustentáveis na proposta. Um deles é uma quase un unimidade. O presidente não pode decidir sozinhos e extingue uma autarquía ou fundação púbiica criada por lei, no Congresso. É certo que a máquina púbiicu brasileira precisa de um processo de revisão e enxugamento. Mas precisa fazer isso com os instrumentos da República, discussão e decisão no Parlamento.
Outro ponto é a exclusão da poss ib ii idade de red ução de j ornadae vencimentos em carreiras de Estado. Por que cargas d´água isso deveria valer para um médico, mas não pura um diplomata? Hã um problema eiementurdeequidadeuí, enâo percebo como piausível uma reforma desatenta a estas coisas.
Há muitos pontos. O projeto explicita a autorização para que setor público e privado cooperem nu execução de ser viços públicos, determinundo que isso seja regulamentado por lei. O ponto é que já existem diversos instrumentos ties tudireção, em especial o marco regulatório da sociedade civil (lei 13.019/14), hoje em plena utilização país afora.
A não ínclusão dos atuais servidores e demais Poderes na reforma é evidentemente um problema. Mas ê preciso evitar o discurso fácil. Se a reformu do jeito que está já vern produzindo um barulho enorme, imagine o volume do som se os atuais servidores estivessem no jogo.
Diferenciar servidores na mesma carreira não é uma bou idéia. O correto seria unificur as regras para quem entra e paru quem já está no serviço público. Será ótimo se o Congresso quiser caminhar nes ta direção. E melhor ainda se o STF topar a parada.
Quem estiver preocupado com a `supere li te` do setor público e com ganhos fiscais de curtoprazo, sugiroprestar atenção aos ajustes na PEC do Pacto Federativo. Pelas indica çòesjá oferecidas pelo relator senador Márcio Bittar o Congresso terá a chance de ouro de mostrar que realmente leva a sério fazer valer o teto salarial do funcionulismoeosgu tilbos jfiscuis, incluindo se a possibilidade de redução salarial, para todos os Poderes.
A reforma avança em pontos importantes. Ela estabelece com nitidez a distinção entre funções de Estado e de mais carreiras do serviço público. Isso pode ser a perfeiçoado pelo Congresso e demandará uma lei especifica para o en quadramento das carreiras. Isso nada tem a ver com dividir o setor público entre carreiras de primeira e de segunda classe. Tem a ver com o perfil das funções e o tipo de proteção que elas devem ter; no interesse da sociedade e do pagador de impostos.
A reforma também poe a meritocracia e a avaliação de desempenho no centro da gestâo pública. O ponto é comofazerisso. Se o governo nunca soube avaliar servidores em estágio probatório, e nem mesmo regula mentaras avaliações de desempenho, porque daqui pra frente sabe riu avaliar quem cumpre seu `vínculo de experiência?
Aqui vale uma nota sobre o tema da estabilidade no emprego. O texto constitucional (art. 41o) já autorizu u demissão de servidores por insuficiência de desempenho. O de talhe é que devido ã omissão legislativa (a qual o Supremo nunca prestou atenção) o tema nunca/oi regulamentado.
A reforma diz apenas que atividades típicas de Estado supõem um tipo de proteção distintu das atividades concorrenciaís. Mas todas as funçôes públicas prosseguirão submetidas ao princípio da impessoalidade e não há espaço para demissões que não atendam a uma razão pública e resultem de um procedimento publicamente controlado.
É preciso ter uma visão construtiva sobre a reforma. Ela é uma proposta aberta ao debate público e pertence ao país, não ao governo. Maus humores políticos pode m divertír a multidão de hooligans q ue flutua na internet, mas não servem pra nada nesse debate.
Fernando Schüler Professor do Insper ecurador do projeto Fronteiras do Pensamento. Foi diretor da Fundação Iberê Camargo

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino