Reforma ainda está viva, aposta ex-diretor do BC

Reforma ainda está viva, aposta ex-diretor do BC

Paulo Apesar da acentuada deterioração dos mercados nos últimos dias, o aumento das tensões entre Executivo e Legislativo não é razão para acreditar que a reforma da Previdência não será aprovada.

A autarquia vai selecionar propostas que receberão o apoio do próprio Banco Central e de grandes empresas de tecnologia parceiras para a criação de protótipos e soluções para a indústria financeira, como aconteceu no ano passado.

Os projetos devem tratar de temas listados entre ações prioritárias do Banco Central na chamada Agenda BC+, voltada para o barateamento do crédito, para o aumento da eficiência dos bancos, para a modernização do sistema financeiro e para a inclusão financeira. Ao abrir seminário do Lift ontem, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse que as inovações fomentadas pelo programa vão contribuir para maior concorrência no mercado financeiro.

O Banco Central, afirmou, quer ser indutor de plataformas voltadas para a redução de custos e a inclusão de pessoas no sistema financeiro. Nesse contexto, Campos destacou que o país ainda tem o desafio `enorme` de reduzir o custo do crédito.

`Mesmo com a queda de juros, o custo de crédito caiu pouco, então acho que temos aí um trabalho importante pela frente`, afirmou em discurso. O Lift foi inspirado em experiências similares desenvolvidas pelo Banco da Inglaterra e por Cingapura.

Para o chefe adjunto do Departamento de Tecnologia da Informação do BC e um dos coordenadores do Lift, Aristides Cavalcante Neto, a experiência cria um ambiente de `aprendizado mútuo`. As empresas recebem feedback e orientação do regulador enquanto desenvolvem suas ferramentas, e o Banco Central tem a oportunidade de conhecer em mais detalhes as inovações tecnológicas no setor.

Os projetos são desenvolvidos em um prazo de 90 dias. No ano passado, o Lift resultou no desenvolvimento de 12 protótipos e soluções, a partir da apresentação inicial de 81 propostas. Segundo Cavalcante Neto, a idéia este ano é no mínimo repetir a dose.

As novas inscrições poderão ser feitas entre os dias 2 de abril e 31 de maio. Um dos protótipos da primeira edição foi desenvolvido pela empresa Liber Capital, de São Carlos (SP). Trata-se de uma plataforma para registro de direitos creditórios utilizando a tecnologia de `blockchain`, que permite o armazenamento distribuído e compartilhado de dados criptografados.

Segundo Victor Stabile, fundador e diretor de tecnologia da empresa, a ferramenta foi desenvolvida para atender ao mercado que vai florescer a partir da aprovação, no final do ano passado, da lei de registro de duplicatas eletrônicas. O objetivo é facilitar a comunicação entre as registradoras, assegurando que o serviço não acabe se concentrando em poucas instituições. A empresa não pretende comercializar a ferramenta, mas disponibilizar o código.

A Liber Capital funciona como um marketplace de duplicatas e seu interesse é contribuir para o desenvolvimento do mercado, disse Stabile. Outra ferramenta desenvolvida no Lift foi o Proagro Fácil, voltada para a gestão da operacionalização, pelos bancos, do programa de seguro agrícola do governo.

Alessandro Moraes, da empresa Softfocus, responsável pelo projeto, afirma que a grande vantagem do Lift, para a empresa, foi a aproximação com os técnicos e executivos do Banco Central, que puderam oferecer um retrato abrangente das dificuldades enfrentadas pelo banco na operação do seguro. A empresa já tinha um piloto da ferramenta e a partir do trabalho no laboratório do BC amadureceu a solução, que já está sendo comercializada com instituições financeiras.

IBM, Microsoft, Oracle e AWS são as empresas que atuam como parceiras do Banco Central no Lift, oferecendo aos participantes infraestrutura a custo zero por um prazo predeterminado. A Fenasbac (Federação Nacional de Associações dos Servidores do Banco Central) também está por trás da iniciativa.

Ao agradecer a participação da iniciativa privada no programa, Campos destacou que `o lema do nosso governo tem sido vamos trazer cada vez mais a iniciativa privada para trabalhar com o governo em todas as esferas`. A Digicash, outra participante da primeira edição do Lift, desenvolveu uma ferramenta de pagamento instantâneo por meio de dispositivos móveis.

Fábio Silva, representante da empresa, que também tem sócios estrangeiros, afirmou que a solução é focada nos desbancarizados. A idéia é oferecer uma solução facilitada de pagamento, e não oferecer crédito.

A empresa pretende lançar o produto em até 90 dias e a meta é chegar a 30 milhões de clientes no Brasil em até 20 anos. Segundo Silva, o acesso facilitado ao BC foi importante para a troca de informações, principalmente na área de regulação. Eficiência Para presidente da autoridade, iniciativas vão contribuir para maior concorrência do sistema

Canipos, do BC: `Mesmo com a queda de juros, o custo de crédito caiu pouco´
Nube de palabras

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino