AGNU  ●  Coronavirus  ●  Islas Malvinas  ●  Mercosur  ●  Mercosur-UE  ●  Venezuela

Questionada sobre casos no Brasil e nos EUA, porta-voz da OMS diz que países não levaram a sério alertas sobre coronavírus

Questionada sobre casos no Brasil e nos EUA, porta-voz da OMS diz que países não levaram a sério alertas sobre coronavírus

Segundo Organização Mundial da Saúde, Américas são o novo epicentro do vírus

A porta-voz da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Harris, disse que alguns países não levaram a sério, desde o início da crise, os alertas sobre o novo coronavírus. A declaração veio após ser questionada sobre os motivos pelos quais o Brasil e os Estados Unidos registram uma grande quantidade de casos da Covid-19, doença causada pelo vírus altamente contagioso. A pergunta foi feita a Harris em uma entrevista coletiva virtual nesta terça-feira.

— Em todo o mundo, vimos que os alertas que lançamos desde muito, muito cedo, não foram vistos como alertas sobre uma doença muito letal e grave — respondeu a porta-voz da OMS, sem citar diretamente os dois países.

Avaliação:
Atualmente, os Estados Unidos são o país com o maior número de casos confirmados (1,3 milhão) e de mortes pela Covid-19 (mais de 80 mil). Desde o início da crise, o presidente americano, Donald Trump, manteve uma conduta errática, ora falando dos riscos à saúde, ora insistindo na volta das atividades econômicas.

Já no Brasil, o presidente Jair Bolsonaro é um dos únicos líderes mundiais a continuar com um discurso negacionista diante da pandemia, chegando a minimizar o vírus e a incentivar manifestações durante o período de isolamento. De acordo com o Ministério da Saúde, o país tem 168 mil casos confirmados e mais de 11 mil mortes por causa do novo coronavírus.

A posição do presidente brasileiro tem sido criticada pela comunidade internacional. A revista científica inglesa The Lancet, que existe há 196 anos e é uma das mais respeitadas do mundo em sua área, publicou um editorial falando que Bolsonaro é

Impacto:
Na última segunda-feira, o responsável pelo Programa de Emergência da OMS, Michael Ryan, criticou, sem citar nomes, países que estariam tentando lidar com a pandemia às cegas.

— É realmente importante mostrar exemplos de países dispostos a abrir e a manter os olhos abertos. Fechar os olhos e atravessar a pandemia às escuras é uma equação estúpida.

Ainda na coletiva desta terça, a porta-voz da OMS falou a respeito das críticas que a organização tem recebido por parte dos EUA. Harris afirmou que o organismo internacional conduziria uma revisão após a pandemia que incluiria uma discussão "livre e franca" sobre seu desempenho.

Analítico:
Harris também disse que as Américas são o atual epicentro da pandemia, embora ela também tenha observado casos crescentes na África. No entanto, a porta-voz disse que o continente tem uma "grande vantagem" em relação a outros países com pouca experiência em surtos de doenças infecciosas.

— Eles costumam ter uma infraestrutura muito boa de rastreamento de contágios, além de uma memória profunda e um entendimento de por que levamos um novo patógeno muito, muito a sério — disse Harris, destacando a África do Sul por seus sistemas de testagem e rastreamento eficazes.

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino