‘A queda da economia global será a maior já vista’, diz ex-economista-chefe do FMI

‘A queda da economia global será a maior já vista’, diz ex-economista-chefe do FMI

Kenneth Rogoff defende gastos públicos para ajudar empresas e cidadãos a enfrentar a maior crise de saúde em cem anos

Kenneth Rogoff tem uma certeza: a economia mundial sofrerá uma forte recessão por conta dos efeitos da pandemia do
Ajuda a vulneráveis:
Os governos devem ampliar gastos para conter a Covid-19 mesmo que isso represente um grande endividamento?
Não tenho a menor dúvida de que o momento é de investir em hospitais. Os governos precisam fazer tudo o que for necessário para diminuir os efeitos do coronavírus. Estamos vendo a pior crise de saúde pública em cem anos. É hora de atacar o problema, deixando a questão do endividamento para um plano secundário.
Socorro a empregadores:
Quais são as medidas mais urgentes no momento?
O foco deve ser dar atenção ao problema de saúde. Infelizmente, tem havido problemas nessa área. Vou falar dos Estados Unidos, mas acredito que haja paralelos com o Brasil. Fomos lentos em preparar kits de testes e agora estamos tendo dificuldade de mapear e ter a dimensão do problema. Ainda estamos cegos nessa área, e isso é um desastre. Em segundo lugar, Donald Trump negou a gravidade do problema por muito tempo. Trump demorou a fazer com que indústrias começassem a produzir ventiladores para UTIs. Ainda não temos uma ordem para todo o país ficar em casa. É espantosa a falta de liderança. Pelo que tenho lido e ouvido de amigos brasileiros, Jair Bolsonaro tem seguido muitos dos passos de Trump.
Armínio Fraga:
O senhor é a favor de uma renda mínima para os mais vulneráveis neste momento?
Sou totalmente a favor nesta situação e também no futuro, se o país tiver condições. Transferência de renda para ajudar os pobres era uma ideia defendida por economistas como Milton Friedman e James Tobin, ambos ganhadores do Nobel. O principal agora é cuidar da vida das pessoas e, depois, tratar de criar as condições para que elas voltem a trabalhar. Acho também que deveria haver atenção com as pessoas que estão endividadas e ajuda para pequenas empresas.
Paul Romer:
Qual é o seu grau de certeza de que o mundo está rumo a uma recessão?
Tenho 99% de certeza. Estamos vendo a economia global mergulhar tão rapidamente que os estatísticos não estão conseguindo medir, de forma precisa, os efeitos no PIB mundial. Minha suspeita é de que, no curto prazo, a queda da economia global será a maior já vista. Não estou falando da duração da recessão, mas da medida da queda. O que está acontecendo é algo impressionante. Em toda a China, o percentual de trabalhadores em atividade em fevereiro era de 30%, na comparação com tempos normais. Talvez chegue a 60% no fim de abril. A volta ao normal vai ser muito lenta. Alguns países estão indo bem. Talvez Alemanha, Coreia do Sul e Singapura. Mas esses são exceção. As únicas perguntas são: quanto tempo a recessão global vai durar? E quais são as melhores estratégias para voltarmos lá na frente? Minha estimativa é de que será a pior recessão desde a década de 1930.
Adaptação:
Qual será a duração dessa recessão?
Para a maior parte do mundo, pode ser uma longa recessão. Um certo número de países emergentes deve sentir mais. Quando um país vê seu sistema financeiro sob muita pressão, passa por uma crise bancária e uma crise da dívida, a recessão dura mais. Não vejo, ainda, o mesmo acontecer nos Estados Unidos e na maior parte da Europa, mas a crise ainda está evoluindo. Se a parada for muito longa ou se houver várias ondas de paradas, definitivamente é possível que vejamos graves problemas de calotes de municípios e no mercado corporativo. Sem falar de um grande estresse no setor bancário.
De confecções a calçadistas:
Muitos dizem que a crise é de produção. Passado o ápice, seria só religar as máquinas. Mas o senhor está falando de uma crise financeira internacional, não?
No mercado financeiro tem gente prevendo uma recuperação em formato de “v”. Acho isso bem otimista. A chance de a situação atual se transformar numa crise financeira internacional é altíssima. Mas será diferente de 2008. Muita gente chamou a de 2008 de uma crise global. Na verdade, foi uma crise financeira de países ricos. Nos emergentes, ela durou pouco. A China cresceu de forma vigorosa. Países como o Brasil aproveitaram o aumento dos preços das commodities. Antes de 2008, a maioria dos emergentes tinha reduzido seu endividamento. Desta vez, muitos têm dívidas externas enormes. É verdade que muitas são privadas, mas ainda assim grandes. Alguns países já estão com problemas. Falo, obviamente, de Argentina, mas também de Líbano e Equador. Em breve, a lista talvez inclua exportadores de petróleo, como Angola e Argélia. A crise ainda não pegou os grandes emergentes, como Brasil e México, que estão bastante fortes, mas, se a crise durar muito tempo, a situação será bastante desafiadora. Em termos de número de países que vão pedir ajuda financeira, acho que vamos superar o que vimos nos anos 1980.
Investidor:
Órgãos como o FMI estão preparados?
A própria direção do FMI já disse que não. O fundo tem US$ 1 trilhão e diz precisar de US$ 2,5 trilhões. Não tenho dúvida de que devemos ver muitas negociações para reduzir dívidas em muitas partes do mundo. Defendo uma moratória temporária numa escala grande, pelo menos, para os países mais pobres.
A dívida pública brasileira é alta, mas o endividamento externo é baixo e as reservas internacionais somam 20% do PIB. Por que o senhor inclui o Brasil entre os países que devem ter problemas financeiros no curto prazo?
Muito da dívida privada no Brasil é externa (denominada em dólares). Com certeza, o Brasil é um dos emergentes que estão entrando nisso numa posição mais forte, mas é óbvio que é vulnerável. Particularmente, porque enfrentará um colapso da demanda global, fora a pandemia em si. É verdade que o Brasil tem algumas vantagens. É uma economia bastante diversificada, o Banco Central tem tido uma independência maior do que em muitos emergentes, mas o país é muito vulnerável, sem dúvida.
O Brasil tem uma economia fechada, o que trava o crescimento. Mas essa característica pode agora ajudar a isolar o país dessa queda de demanda global?
Esse raciocínio não é uma loucura. Mas vale lembrar que o Brasil é um poderoso exportador de commodities e está muito exposto ao que acontece na China.

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino