Bolivia  ●  Chile  ●  Elecciones en Argentina  ●  Islas Malvinas  ●  Mercosur  ●  Mercosur-UE  ●  Venezuela

Provável retorno do peronismo abre interrogações sobre rumo econômico na Argentina

Provável retorno do peronismo abre interrogações sobre rumo econômico na Argentina

01/10 - 21:14 - A quatro semanas das eleições presidenciais na Argentina, os analistas e as pesquisas preveem uma confortável vitória do peronista de centro esquerda Alberto Fernández frente ao presidente liberal Mauricio Macri, mas as incógnitas sobre a volátil economia estão abertas.

AFP - Com crises recorrentes ao longo de sua história, que incluíram “default” e hiperinflação, a Argentina se encontra mais uma vez em uma situação de muita vulnerabilidade, e ninguém parece ter a receita para estabilizá-la.

Comprometido com um programa de ajuste fiscal com o Fundo Monetário Internacional (FMI), Macri testa, neste último período de seu mandato, medidas anteriormente criticadas por ele, como controle cambial e de preços.

Chefe de gabinete na Presidência de Néstor Kirchner (2003-2007), quando a Argentina pôs em suspenso sua relação com o FMI e ficou fora do mercado de capitais pelo “default” de 2001, Fernández reitera, volta e meia, que, em um eventual mandato seu, o calote está descartado.

Nenhum detalhe de seu programa econômico em um futuro governo foi divulgado até agora, porém. A incerteza política mantém os mercados em alerta. Nesse contexto, o FMI ainda não anunciou quando vai liberar a próxima parcela de US$ 5,4 bilhões, inicialmente prevista para setembro, de um empréstimo total de US$ 57 bilhões.

– Dívida, reservas e mercados –

A Argentina se encontra em recessão desde 2018, com alta inflação (30% até agosto) e aumento da pobreza, que alcançou 35,4% no primeiro semestre de 2019, o pior dado desde 2001. Os prognósticos para 2020 não são bons. A expectativa da agência Moody’s é de um prolongamento da recessão e de uma inflação de até 40%.

Desde as primárias de 11 de agosto, nas quais Fernández obteve 47% dos votos frente a 32% de Macri, as reservas internacionais caíram de US$ 66 bilhões para US$ 49 bilhões, a moeda se desvalorizou 20%, e a inflação se acelerou.

Para enfrentar essa situação, “é necessário muito consenso e muito poder político, o apoio do Congresso e dos governadores. É um desafio mais político do que econômico”, comentou o economista Martín Vauthier, da firma Ecogo.

“O próximo governo vai precisar de um programa confiável que permita baixar o índice do risco-país”, atualmente acima dos 1.200 pontos, e recuperar a confiança, afirmou Vauthier.

A dívida da Argentina se aproxima de 100% do Produto Interno Bruto (PIB). O governo Macri acaba de estender os vencimentos dos bônus de curto prazo sob legislação nacional e propôs uma renegociação dos créditos restantes. Todos esperam que as condições dessa reestruturação sejam definidas depois da eleição.

Gabriel Torres, analista da Moody’s para a Argentina, considera que o país apresenta “números consistentes com o pagamento da dívida”, desde que tenha acesso aos mercados.

A principal conquista econômica da gestão Macri foi a diminuição do déficit fiscal, que deve fechar 2019 em 0,5% do PIB.

“Se o próximo governo não fizer um ajuste fiscal e pretender financiar o gasto público com emissão monetária, caminharemos para uma inflação de três dígitos”, advertiu o economista Ramiro Castiñeira.

Fernández pede uma trégua de 180 dias aos sindicatos e movimentos sociais para fazer a indústria decolar e para retomar o crescimento econômico. Já Macri pede um voto de confiança para continuar na linha da austeridade, que, garante ele, deve render frutos muito em breve.

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino