Produtor europeu cita até posição de Bolsonaro para impedir acordo com Mercosul

Produtor europeu cita até posição de Bolsonaro para impedir acordo com Mercosul

20:37 - Entidades destacam que há muitos elementos negativos no sistema de produção por aqui

Os produtores europeus voltam suas baterias contra o acordo comercial União Europeia e Mercosul (https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2020/11/ministros-europeus-fazem-c...).

A lista de reclamações vai de posições do presidente Jair Bolsonaro sobre o meio ambiente a padrões de produção diferentes dos adotados na União Europeia.

Em uma entrevista coletiva, a presidente da Copa, Christiane Lambert, e a vice-presidente da Cogeca, Agnieszka Maliszewska, manifestaram preocupações com a assinatura do acordo. As duas entidades reúnem
fazendeiros e produtores ligados a cooperativas.

“Não podemos apoiar esse acordo assim como está. Há muitos elementos negativos sobre métodos de produção de carnes bovina e de aves, etanol e Jornalismo que fiscaliza o poder público e veicula notícias úteis e inspiradoras.

Na avaliação dela, os produtos vindos de fora devem respeitar as normas de produção da União Europeia, que produz um alimento de qualidade.

Ela destaca, ainda, que o acordo não leva em conta os setores mais frágeis de produção do bloco europeu. Cita a importação de 90 mil toneladas de carne bovina em um mercado em que já há carne o suficiente. Para a presidente da Copa, esse volume traria uma pressão sobre os preços.

No caso das aves, o volume aceito é grande demais e representa a produção conjunta da Finlândia, da Suécia e da Dinamarca.

O presidente Jair Bolsonaro durante coletiva de imprensa para falar sobre alterações na política do preço de combustíveis, no Palácio do Planalto - Pedro Ladeira -

Além disso, a presidente da entidade aponta a utilização, nos países do Mercosul, de inseticidas e herbicidas proibidos na Europa.

Para ela, a Europa desenvolveu estratégias exemplares de meio ambiente e de comércio, e o bloco não pode, depois de tanto esforço, competir com produtores que têm custos bem menores e que produzem em condições bem diferentes.

São posições já conhecidas as dessas entidades europeias, mas indicam o grau de dificuldade que será a implementação desse acordo.

Vaivém das Commodities

A coluna é assinada pelo jornalista Mauro Zafalon, formado em jornalismo e ciências sociais, com MBA em derivativos na USP

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino