Reforma no gabinete de Fernández devido a campanha eleitoral na Argentina

Reforma no gabinete de Fernández devido a campanha eleitoral na Argentina

19:42 - O senador Jorge Taiana, que foi chanceler nos governos de Néstor e Cristina Kirchner (2003-2015), será o novo ministro da Defesa da Argentina, substituindo Agustín Rossi, que deixou o cargo para se dedicar à campanha eleitoral, anunciou o governo nesta segunda-feira (9).

Esta nomeação e a de Juan Zabaleta como novo ministro do Desenvolvimento Social, após a saída de Daniel Arroyo, são parte de um pedido do presidente Alberto Fernández para que os candidatos nas próximas eleições parlamentares de meio de mandato deixem suas funções executivas.

Taiana, 71 anos, com longa trajetória de ativismo no peronismo e que foi chanceler entre 2005 e 2010, deixará a cadeira que assumiu na câmara alta em 2019. Ela será ocupada por Juliana Di Tullio, muito próxima da vice-presidente e titular do Senado, Cristina Kirchner.

Zabaleta, 54 anos, prefeito da cidade de Hurlingham desde 2015 e homem forte da presidência na populosa periferia de Buenos Aires, assumirá a carteira que foi fundamental na pandemia, já que tem recursos para desenvolver políticas sociais e conceder subsídios a setores menos favorecidos.

"Quero comunicar que amanhã (terça-feira), às 18h00, assumirão novos ministros, o do Desenvolvimento Social, Juan Zabaleta, e o da Defesa, Jorge Taiana", anunciou o chefe de gabinete, Santiago Cafiero, em coletiva de imprensa.

Arroyo, que teve uma função-chave na distribuição de alimentos e subsídios aos setores mais relegados da sociedade durante a pandemia, é pré-candidato a deputado pela província de Buenos Aires na única lista apresentada pelo partido no poder.

Rossi, por sua vez, é pré-candidato a senador em uma das duas listas do peronismo na província de Santa Fé, terceiro distrito eleitoral do país, onde Fernández fez acordo com o governador Jorge Perotti e apoia a outra lista, tendo em vista as primárias.

A Argentina realizará as eleições primárias abertas, simultâneas e obrigatórias (PASO) no dia 12 de setembro, nas quais serão definidas as listas de candidatos que irão disputar as eleições legislativas de 14 de novembro. O país sul-americano renova metade da Câmara dos Deputados e um terço do Senado.