“O acordo UE-Mercosul é injusto para as populações e tem grandes chances de não acontecer”

“O acordo UE-Mercosul é injusto para as populações e tem grandes chances de não acontecer”

Confira entrevista com o eurodeputado da Irlanda Mick Wallace, uma voz poderosa da esquerda no Parlamento Europeu. “Estamos lutando contra a pobreza em outros países e fazendo negócios com gente como o Bolsonaro”, diz ele

O eurodeputado da Irlanda Mick Wallace tornou-se uma voz poderosa da esquerda no Parlamento Europeu. Ele é conhecido por apontar a hipocrisia da política externa do bloco e desafiar o establishment no parlamento. Um desses casos foi quando denunciou a famosa tentativa de golpe de janeiro de 2019 na Venezuela e seu auto-declarado presidente interino, Juan Guaidó, como “um idiota não eleito”.

Em entrevista exclusiva à jornalista Nathália Urban para o Brasil Wire e para o Brasil 247, Wallace falou sobre algo que tem sido tema de discussão entre a América do Sul e a Europa: o Tratado de Livre Comércio entre a União Europeia e o Mercosul. Confira a entrevista:

O Parlamento Europeu decidiu recentemente confirmar os termos da sua resolução sobre política externa e de segurança para este ano. Incluiu uma menção especial às negociações do Acordo de Livre Comércio da União Europeia com o Mercosul. Como você vê esse acordo entre a União Européia e o Mercosul?

Acho que há uma boa chance de que isso nunca aconteça. E há muita oposição de nossa parte. Principalmente por motivos ambientais. Não sei o quanto você acompanha as questões ambientais no parlamento, mas eles introduziram novos termos. Eles introduziram uma estratégia de biodiversidade. Agora, nada disso é legislação ainda, mas se tornará parte da legislação com o tempo e isso vai acontecer. E o negócio do Mercosul não está em conformidade com essas medidas ambientais, impossível. É como colocar um pino quadrado em um buraco redondo. Portanto, embora a UE e a maioria dos países ocidentais tenham feito esses tipos de acordos comerciais desde sempre e ignorem totalmente uma série de questões diferentes, não apenas o meio ambiente, mas também, ignorando o fato de que muitas vezes esses acordos comerciais não são necessariamente bons. Por exemplo, no negócio do Mercosul, a alimentação de criação é um grande problema, certo? E significaria que seria mais fácil para os países do Mercosul venderem mais ração para os europeus. Eles seriam capazes de vender mais carne para eles. E em troca, os alemães teriam mais facilidade em vender carros de máquinas, em particular, para os países do Mercosul. Por exemplo, na produção de alimentos acabamos de assinar um acordo no ano passado, com o Vietnã, um acordo comercial. Agora eu simplesmente não tenho nenhum problema com o governo do Vietnã, certo. Mas votei contra o acordo comercial porque vejo que não vai fazer bem aos agricultores vietnamitas, e que não vai fazer bem aos agricultores da Europa.

São muitos acordos comerciais, que são apenas vantajosos ao intermediário, os caras que se movem, todos esses produtos e o pequeno agricultor fica preso nas duas pontas. Eu diria o mesmo com o Mercosul, mas isso nunca incomodou a UE. Então, eles foram capazes de ignorar a dimensão social e os danos sociais que nossos negócios causam. Mas isso é diferente, certo. O meio ambiente é o maior jogo de uma cidade na Europa agora, e os desafios de lidar com nossos problemas ambientais. E não é suficiente apenas lidar com isso na Europa. Se nós, por exemplo, continuarmos a comprar, vender e fazer negócios com países da África ou da América do Sul, e ignorar o dano ambiental de tais negócios. Por exemplo, o Mercosul, quer as pessoas gostem ou não, certamente levará a mais desmatamento, o desmatamento e a biodiversidade estão ligados e pela perda de diversidade e perda de biodiversidade, e está no centro da atual pandemia. E é de onde tiramos nossos vírus, então estamos todos preocupados com a pandemia. Estamos todos preocupados com isso, mas ainda temos sido muito lentos para lidar com a perda de biodiversidade. Portanto, a pressão sobre esse assunto aumentará. E eu não acho que o Mercosul, no final das contas, estará cruzando a linha de chegada. Se assim for, será mais uma vez uma terrível hipocrisia da União Europeia.

Não acha que um acordo com o Mercosul acabaria por dar força aos neoliberais totalitários do bloco, como Jair Bolsonaro no Brasil? Porque ele falou várias vezes sobre isso, e claro que sabemos que existe uma preocupação ambiental dos membros da UE

Sim. Quero dizer, Bolsonaro é um indivíduo de extrema direita que não se importa com a vida das pessoas. Ele não se preocupa com o meio ambiente. Ele é realmente um bandido e é uma pena que os europeus façam negócios com ele, mas é isso que eles fazem. Os europeus não são anjos, negócios são negócios para essas pessoas. E é por isso que temos tanta pobreza no mundo hoje. Há 4,6 bilhões de pessoas, cerca de metade da população mundial vivendo com menos de US$ 5 por dia. E a razão disso estar acontecendo é por causa das políticas do mundo desenvolvido. Estamos lutando contra a pobreza em outros países e fazendo negócios com gente como o Bolsonaro, não é nada novo, para os países europeus ou estadunidenses ou qualquer um deles, eles colocam os negócios antes das respostas do povo.

E é por isso que temos 4,6 bilhões de pessoas vivendo com menos de US$ 5 por dia e sem segurança alimentar por causa de nossas políticas. Da mesma forma, não tenho dúvidas de que eles continuarão a negociar com o Bolsonaro ou qualquer outro que controle o Brasil porque o Brasil é um grande jogador e eles buscam oportunidades de negócios para si mesmos, a respeito do quão ruim é o Bolsonaro. Ouça, a UE faz negócios com a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, o tempo todo, tem havido genocídio no Iêmen, mas não importa. Isso não os incomoda, contanto que haja dinheiro real a ser feito. Ontem, o governo britânico suspendeu a ajuda ao Iêmen, mas eles concordaram em continuar a exportar armas para a Arábia Saudita, apesar do fato de estarem causando a fome de milhões no Iêmen hoje, esses governos não se importam sobre coisas assim.

Você se perguntaria se alguém veio de Marte e eu vejo o Ocidente e vejo o que realmente está acontecendo no mundo. Quer dizer, não dá para acreditar o quão mal o mundo está, errado e injusto. E o fato de que os governos estão preparados para facilitar os interesses das grandes empresas à custa do povo. Na maior parte do tempo, é simplesmente chocante. E é imoral, o sistema está podre até o osso. E isso é muito triste, mas quero dizer, isso vai mudar? Ouça, sempre há esperança e Bolsonaro não estará no poder para sempre no Brasil. Se o país tiver eleições justas - quero dizer, obviamente, se as eleições tivessem sido justas em primeiro lugar, ele não teria chegado ao poder, as coisas foram injustas, mas não acho que ele vai durar para sempre.