Embaixador da Índia quer aproximação com agricultura e tecnologia gaúchas

Embaixador da Índia quer aproximação com agricultura e tecnologia gaúchas

Buscando estreitar as relações entre o Rio Grande do Sul e a Índia, o embaixador da Índia no Brasil, Suresh K. Reddy, veio ao Estado para cumprir uma agenda de dois dias. Liderando uma comitiva, junto com o cônsul-geral da Índia no Brasil, Amit Kumar Mishra, o embaixador visitou empresas que operam no país asiático, além de tratar com o governo trocas de conhecimento em diversas áreas, especialmente agropecuária.

“O mundo inteiro aprecia o sucesso do setor de agricultura e de processamento de comida, e nós gostaríamos de aprender e nos beneficiar da experiência e expertise brasileiras nessas áreas”, disse o embaixador em conversa com o Jornal do Comércio. Com participação forte no setor de tecnologia, a Índia tem mais de 450 startups de agrotecnologia, sendo 25 com presença global, e outras que querem expandir negócios para o Brasil. O setor agrotecnológico indiano já recebeu mais de R$ 2 billhões em financiamento pelo governo local, e cresce a uma taxa média anual de 25%. Outro ponto destacado por ele é o etanol, e o interesse do governo indiano em formas sustentáveis de energia.

Outra possibilidade de integração entre os dois países, de acordo com Reddy é em ferrovias. A Índia está entre os cinco países com maior malha ferroviária do mundo, com 50 milhões de pessoas utilizando o serviço diariamente, e o embaixador vê oportunidades de negócio nesse setor no país. “Imagine os milhões de pessoas que poderiam viajar de trem entre Rio de Janeiro e São Paulo, e o impacto positivo que isso poderia ter na atividade econômica”. Ele cita outras possíveis linhas que beneficiariam a economia, conectando a capital paulista a Belo Horizonte ou Porto Alegre, por exemplo.
Em pleno crescimento na última década, a Índia tem planos ambiciosos de expansão para o futuro. As projeções econômicas do FMI indicam que o país chegue a 2027 com uma população maior do que a chinesa, e uma classe média mais numerosa do que as da China, Europa e Estados Unidos.

Na agenda no Estado, Reddy se encontrou com o secretário de Planejamento, Governança e Gestão do Governo Estadual, Claudio Gastal, para discutir temas como parcerias público-privadas e transformação digital, além do porto de Rio Grande. Além disso, visitou a unidade da Mahindra Tractor Plant em Dois Irmãos, no Vale dos Sinos. A Mahindra é uma das maiores empresas automobilísticas e de máquinas agrícolas da Índia, e, elogioso, Reddy afirma que gostaria de ver os carros da companhia no mercado brasileiro. O embaixador também foi a Gravataí visitar as empresas Fitesa e Perto, que tem presença no país asiático.
Ele também visitou a Escola de Ayurveda, instituição sediada em Porto Alegre que ensina sobre a forma de terapia milenar indiana na qual acompanhou o processo educacional e se reuniu com profissionais para discutir o fomento da prática no Brasil junto às escolas de medicina e como Prática Integrativa e Complementar (PIC) oferecida pelo SUS. “Não é tratamento de uma doença, como na medicina ocidental, mas sim trazer o corpo de volta à balança. É uma visão mais holística do corpo”, afirma Reddy, que se comprometeu em atuar pelo reconhecimento e regulamentação da profissão no Brasil. O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, é um entusiasta da prática e busca popularizá-la.