Fernández: 'Encerrar quarentena é matar milhares de argentinos'

Fernández: 'Encerrar quarentena é matar milhares de argentinos'

06/05 - 21:31 - O presidente da Argentina, Alberto Fernández, descartou nesta quarta-feira (6) o fim do confinamento em vigor desde 20 de março para impedir a disseminação do COVID-19, porque estaria "matando milhares de argentinos", embora esteja analisando uma abertura gradual.

"Saiba que sair da quarentena agora, nos termos que eles exigem, está matando milhares de argentinos porque não podemos controlá-la", disse Fernández, referindo-se à reivindicação de um setor de oposição, com economistas liberais e empreendedores, para acabar com o isolamento social obrigatório.

Uma campanha nas redes sociais convocou para esta quinta-feira uma manifestação contra a quarentena, em meio ao colapso de uma economia que já vinha de dois anos de recessão e a estimativa de queda no PIB de 6,5% em 2020.

"Eles estão brincando com a segurança dos argentinos. Peço que olhem para os relatórios; se não tivéssemos colocado em quarentena, teríamos milhares de mortes, que não vieram por sermos responsáveis", afirmou o presidente à Rádio con Vos.

No entanto, Fernández disse que a Argentina está perto de cumprir o objetivo de reduzir os contágios em um período não inferior a 25 dias, para que "seja muito possível que possamos fazer uma abertura maior em breve" a partir da próxima segunda-feira.

"Você não pode colocar em quarentena e fazer a economia funcionar. Aqueles que a escolheram (priorizam a economia) acabaram reunindo pessoas mortas em caminhões refrigerados e enterrando-as em valas comuns", alertou.

O Estado argentino distribuiu uma série de subsídios para aposentados, desempregados, trabalhadores informais, empréstimos a pequenas e médias empresas e facilidades para aliviar a situação econômica.

O governo também está promovendo uma lei para que "haja uma contribuição excepcional das grandes fortunas", que segundo Fernández representam "1,3 bilhão de dólares que estão nas mãos de 11.000 argentinos".

Em 20 de março, o governo decretou o isolamento social obrigatório por 15 dias e o amplia a cada duas semanas.

As medidas foram relaxadas apenas em algumas áreas menos povoadas e não contagiosas, mas permanecem firmes em Buenos Aires e na periferia, onde vive um terço dos 45 milhões de habitantes.

Até esta quarta-feira, a Argentina soma 5.197 infectados, dos quais 273 morreram.