Otimismo com cena política dá novo impulso a mercados

Otimismo com cena política dá novo impulso a mercados

Ativos Bolsa sobe e dólar cai em meio a expectativa com votação na Câmara

A expectativa de vitória cio presidente Michel Temer, com a possibilidade de uma ampla margem, na votação da denúncia contra ele na Câmara dos Deputados injetou ontem uma dose adicional de otimismo nos mercados financeiros domésticos, já embalados nas últimas semanas pelo ambiente externo favorável aos ativos de risco.

O Ibovespa, que até a semana passada mostrava pouca disposição em embarcar num movimento consistente de alta, superou os 67 mil pontos e, com isso chegou muito perto do patamar pré-crise política. Já o dólar e os juros futuros ampliaram as quedas, mesmo depois das recentes baixas, comportamento que embute alguma esperança de que, destravado o quadro político, o governo poderá avançar na agenda de reformasquem sabe até na previdenciária. Os mercados financeiros fecharam antes de o resultado da votação ser conhecido.

`O governo voltou ao jogo`, define o presidente da Canepa Asset Management, Alexandre de Póvoa. Ele explica que, ainda que o placar da votação não possa ser visto como uma `proxy` de uma eventual votação da reforma da Previdência, é fato que o evento alimenta esperança de que esse ajuste de regras possa voltar a ser discutido ainda neste ano, mesmo que numa extensão muito menor do que chegou a ser proposto pelo governo.

Na bolsa de valores, a incerteza política era apontada como determinante para o ritmo lento do mercado, porque travava o avanço da agenda de reformas, as decisões de investimento, o crescimento e, consequentemente, o interesse por papéis de empresas. Tanto é que, logo no início da sessão de ontem, o Ibovespa tinha leve baixa e com reduzido volume de negócios.

No fim da manhã, quando os debates que antecederam a votação apontavam para a possibilidade de um resultado com ampla vantagem para Temer e possibilidade de conclusão mais rápida que a prevista, a busca por ativos disparou. Em poucos minutos, o índice Bovespa alcançou a máxima do dia, de 67.277 pontos, muito próximo dos 67.540 pontos registrados em 17 de maio, antes da eclosão da crise política.

O giro financeiro, que sugeria um dia fraco, teve firme impulso. Às 13hl0, foi computado o giro de R$ 12,3 milhões para, no minuto seguinte, às 13hll, saltar para R$ 174,8 milhões. Um total de R$ 7,5 bilhões foi negociado no mercado acionário, acima da média diária do ano, de R$ 6,1 bilhões. `Uma vitória de Temer vai reforçar a governabilidade e a aprovação das reformas`, disse Christian Laubenheimer, gestor da Platinum Investimentos, antes de saber o resultado final da votação.

Com essa percepção, as ordens de compra se espalharam entre as ações com maior peso no índice, o que indica tratar-se de um movimento de investidores `comprando Ibovespa` e não apenas buscando de forma seletiva algumas companhias, como ocorreu recentemente. As ações da Rumo Logística subiram 6,50%, os papéis da Usiminas ganharam 4,17% e as ações do Banco do Brasil tiveram alta de 4,03%.

No setor de commodities, as ações PN da Petrobras subiram 2,97% e os papéis ON, 2,56%. O dólar também chegou a subir no começo do pregão, mas o crescente otimismo fez a moeda perder força até o fechamento. A moeda terminou em baixa de 0,19%, cotado a R$ 3,1197 longe da máxima intradia, de R$ 3,1381.

Confiante na continuidade do cenário benigno, o profissional de uma ros de gestora diz ter comprado opções de venda (`puts`) de dólar comercial. Ao assumir essa posição, ele ao garante o direito de vender a moeda a um preço previamente acordos dado, esperando lucrar com uma nova queda da cotação  diz.

Desde os dias seguintes ao estouro da crise política, em meados te de maio, o real já acumula alta de ao 8,46% ante o dólar, mais do que anulando as perdas verificadas nos dias seguintes à delação da JBS. Em julho, a divisa brasileira registrou o melhor desempenho global.

Além da melhora da percepção política, os fundamentos da economia também têm tido papel importante na resiliência do câmbio, segundo Carlos Carranza, estrategista do J.P. Morgan para a América Latina. O estrategista seos gue com recomendação positiva para o câmbio desde 23 de junho, com ponto de entrada em R$ 3,34 por dólar.

Desde então, a moeda brasileira já avançou 7,06% em termos nominais. Para Carranza, até o processo cie queda dos juros deve dar suporte ao câmbio, por tos, geralmente ser acompanhado de expressivos ingressos de recursos.

 `Os juros reais seguirão elevados em relação ao universo dos mercados emergentes`, diz. A diretora da área de macroeconomia e política da Tendências Consultoria, Alessandra Ribeiro, destaca que o comportamento dos ativos nas últimas sessões demonstra que os agentes financeiros têm operado com a percepção de que a oposição não teria votos necessários para dar continuidade ao processo, mantendo Temer no cargo.

`Se olhar o comportamento dos ativos nos últimos dias, parece comprada a idéia de que Temer conseguiria barrar a denúncia`, diz. `Vemos uma queda importante da percepção de risco`, afirma, ao citar a queda do dólar e do CDS (espécie de seguro contra calote).

Outro risco que não está contemplado nos preços é o de rebaixamento da nota de crédito soberano, em meio à possibilidade de revisão da meta cie déficit primário deste ano, de R$ 139 bilhões. `A mudança de meta não está totalmente no preço, mas certamente o rebaixamento ainda não é algo refletido nos mercados.

Portanto, os patamares dos ativos não seriam os que vemos agora caso haja novo corte da nota`, afirma Matheus Gallina, operador de renda fixa da Quantitas Asset Management.

Numa clara indicação de que o mercado ainda não devolveu prêmios de risco em todos os segmentos, a inclinação entre os juros futuros negociados na B3 de vencimentos em janeiro de 2023 e janeiro de 2019 terminou ontem em 176 pontos-base ainda muito acima dos patamares em torno de 100 pontos verificados em maio, antes da turbulência política.