Pressão sobre Weintraub cresce, e Bolsonaro busca saída honrosa´ para aliado

Pressão sobre Weintraub cresce, e Bolsonaro busca saída honrosa´ para aliado

Em entrevista à Band News- Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (15) que Weintraub náo foi `muito prudente` nem deu `um bom recado` ao participar da manifestação. Disse também que o ministro não estava representando o governo federal no protesto e que a sua presença criou `mais um problema` que ele tem buscado contornar.

Após a participação do ministro Abraham Weintraub nos protestos a favor de Jaír Bolsonaro no domingo {14), integrantes do governo disseram a ministros do STF (Supremo Tribuna] Federal) q ue o titular- da Educação deverá ser demitido, em um gesto de paz à corte. O timing da demissão, no entanto, ainda não foi defini dopelopresidente, que busca uma saída honrosa para seu ministro, como um cargo no Palácio do Planalto ou função diplomática no exterior.

Em conversa reserva, o presidente disse que não abandonará o seu aliado de primeira hora. Em entrevista à Band News- Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (15) que Weintraub náo foi `muito prudente` nem deu `um bom recado` ao participar da manifestação. Disse também que o ministro não estava representando o governo federal no protesto e que a sua presença criou `mais um problema` que ele tembuscado contornar. `Eu acho que ele [Wein traub] não foi muito prudente em participar da manifestação, apesar de não ter falado nada demais ali. Mas náo foi um bomrecado. Por quê? Porque ele não estava representando o governo. Ele estava representando asipróprio. Como tudo o que acontece cai no meu colo, é um problema que estamos tentando solucionar como senhor Abraham Weintraub`, disse.

Bolsonaro repetiu que não co ordena nem convo ca m anifestações e que só participou de protestos pacíficos a favor de seu governo. Disse que as crises recentes entre os Poderei são resultado de uma `constância em fustigar o governo`. Na entrevista, o presidente não foi questionado sobre a reunião que teve minutos antes, na tarde desta segunda com o próprio Weintraub, na qual discutiu o futuro do ministro da Educação. Segundo relatos feitos à Folha, no encontro, o presidente chamou a atenção de Weintraub. Ele disse que o ministro deve ser mais cauteloso emposições públicas, que deve arrefecer o discurso e náo en frentar o STF. Na reunião, segundo assessores palacianos, o presidente não garantiu ao ministro se ele permanecerá ou deixará a função. Magistrados do STF acreditam até que o titularda Educação pode acabar sendo preso se continuar atacando as instituições, como tem insistido em fazer, informou a coluna Môniea Bergamo, da Folha.

No domingo, Weintraub, sem citar os ministros da corte, voltou a usar a expressão `vagabundos` que mencionou em referência aos magistrados do Supremo em reunião ministerial do dia de abril. O recado sobre a saída de Weintraub dapastadaEducação foi dado ao STF por ministros próximos do presidente. Desde o mês passado, tanto a cúpula militar como ala do governo considerada técnica vinham tentando convencer Bolsonaro de que a saída de Weintraub tornou-se necessária para amenizar o clima beligerante entre Executivo e Legislativo. Eles buscam uma solução nesse sentido. Segundo assessores presidenciais, Bolsonaro não quer que o ministro deixe o governo e procura uma solução para, pois Weintraub ganhou forte popularidade na base mais fiel do bolsonarismo. Além de um posto diplomático no exterior, outra opção seria deslocar Weintraub para um posto de assessor especial, onde ele seguiria próximo do presidente e atuaria com seu irmão Aithur.

Em paralelo, o presidente pediu a deputados que proponham nomes para a pasta. Pensando na base, Bolsonaro deseja um nome que tenha uma linha ideológica semelhante à do atual ministro. Para auxiliares presidenciais, a permanência de Weintraub no comando da E ducação prejudica o governo. Eles consideram, porém, que o presidente tem dificuldades em demiti-lo por causa da relação de amizade do ministro com os seus filhos, sobretudo o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos RJ). Por isso, avaliam que o presidente ainda pode mudar de idéia.

Aliados de Bolsonaro dizem acreditar que Weintraub sabe que seu caso não terminará bem no STF no fim do mês passado, ele ficou calado no depoimento à Polícia Federal em que deveria esclarecer, por determinação do mi nistroAlexandre de Moraes, a fala sobre botar na cadeia os `vagabundos` do STF na reunião de ti de abril.

Como não há muito a ser feito, optouporfazerbarulho para, sendo condenado, ser visto como mártir da causa ideológica bolso narista e mais uma vítima do Supremo. Faz um mês, a cúpula do Congresso e parlamentares do centráo também pressionam pela saída de Weintraub. Ate a divulgação do vídeo da reunião ministerial do dia ti de abril, em que o minis tro xinga os integrantes do STF, Bolsonaro estava decidido a demiti-lo, segundo parlamentares e interlocutores do núcleo jurídico do governo que buscavam o acerto para a saída de Weintraub como um gesto depaz ao Supremo. O vídeo da reunião e a convocação para um depoimento feita por Alexandre de Moraes, em seguida, porém, deram

Eu acho que ele [Weintraub] não foi muito prudente em participar da manifestação [de bolsonaristas em Brasília, 110 sábado]» apesar de nâo ter falado nada demais ali. Mas nâo foi um bom recado. Por quê? Porque ele não estava representando o governo. Ele estava representando a si próprio. Como tudo o que acontece cai no meu colo, é um problema que estamos tentando solucionar com o senhor Abraham Weintraub Jair Bolsonaro em entrevista à BandNews O ministro da Educação, Abraham Weintraub, participa de manifestação bolsonarista em Brasília, no domingo, quando voltou a sugerir prisão de ministros do Supremo Reprodução sobrevida ao t i tu lar da Educação. Weintraub ganhou mais a dep to s entre a base mais fiel dobolsoiiarismo.Se demitisse o ministro,dízemseus aliados, e cedesse ao STF, o presidente criaria um problema sério com parcela de seus eleitores. Desde então, interlocutores do Judiciário têm conversado com aliados de Bolsonaro para construir uma solução.

Em entrevista à CNN Brasil, também nesta segunda-feira, o ministro da Seeretaria-Geral da Presidência, Jorge de Oliveira, comparou as declarações de Weintraub à mani festação do ministro Celso de Mello, do STF, que relacionou Bolsonaro ao líder nazista Adolf Hitler em uma mensagem a colegas que acabou indo a público. No entanto, Oliveira disse que o ministro da Educação deve ser punido caso tenha extrapolado limites ao reiterar em público, neste do min go, as críticas feitas aos ministros do STF. `O ministro Abraham tem, ao meu ver, total liberdade para se expressar como ele be m desejar e, aquilo que ele extrapolar, aquilo que a legislação alcançá-lo como uma calúnia, uma difamação, se for o caso, [que] elesejapunídoporisso` afirmou Oliveira.

Abraham Weintraub não é o único ministro alvo de críticas. O entorno do presidente começou a fritar o chefe da AGU (Advocacia-Geral da União), José Levi, no cargo desde 29 de abril. Diante de uma sucessão de derrotas do governo, passaram a circular queixas sobre a `lentidão` do advogado-geral da União.

Ministro é multado em R$ 2 mil por não usar máscara em Brasília

Mímica Bergamo

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, foi multado nesta segunda feira (15) pelo governo do Distrito Federal por não usar máscara em manifestação em Brasília no domingo. `O autuado foi flagrado em e sp aç o ou logradou ro (Esplanada dos Ministérios) sem máscara de proteção (EPI) facial, de uso obrigatório`, diz o documento. A coluna antecipou que o governador do Distrito Federal, Ibneis Rocha, tinha decidido autuar o ministro pelo mau exemplo que ele tem dado ao desfilarpela cidade sem a proteção. No domingo, Weintraub quebrou abertamente as regras ao comparecer a um protesto em Brasília organizado por apoiadores de Jair Bolsonaro. Além de andar sem masca ra, elegerou aglomeraçõese conversou com aspes soas de forma próxima, contrarian do orientações consensuais de distanciamento social para evitar a propagação donovo coronavírus. Em maio, Ibaneis Rocha baixou um decreto determinando que moradores do DF que não usarem máscaras serão multados. Ouso é obrigatório em todas as vias e espaços públicos, transportes públicos coletivos, estabelecimentos comerciais, industriais e espaçosde prestação de serviço. As máscaras são consideradas essenciais para evitar o contágio pelo novo coronavírus. Weintraub contra o STF

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino