Planalto prevê até seis semanas com média acima de 2 mil mortes diárias por covid-19

Planalto prevê até seis semanas com média acima de 2 mil mortes diárias por covid-19

O Palácio do Planalto prevê que o país possa entrar em abril ainda com uma média superior a 2 mil mortes diárias por conta do coronavírus, segundo apurou o Valor com fontes a par do tema. A estimativa no governo é que haverá "seis semanas turbulentas" com essas cifras elevadas, em meio ao colapso simultâneo dos sistemas de saúde em diversos Estados.

Em conversas com a equipe do Ministério da Saúde, a avaliação é que na maior parte dos dias a
cifra deve oscilar entre 2.200 e 2.600 mortes. Porém, técnicos e parte da cúpula da pasta admitem
a possibilidade de o pico chegar a 3 mil mortes diárias, segundo revelado pelo Valor.
Hoje, morreram 2.233 pessoas por conta da covid-19 no país, segundo o Conselho Nacional
dos Secretários de Saúde (Conass).

A avaliação no Planalto é que o presidente Jair Bolsonaro voltou a "perder a narrativa" da
pandemia. Inicialmente, havia conseguido colar nos governadores a pecha de haverem gerido mal
os recursos federais enviados para o combate à pandemia.
Com base nessa percepção, Bolsonaro vem insistindo nesse tema hoje voltou a criticar os
governadores por adotarem medidas ainda mais restritivas a fim de evitar a proliferação do
vírus.

Porém, apesar da insistência do presidente no assunto, a avaliação é que ele "perdeu a briga"
sobre a eficiência do tratamento precoce, que não tem comprovação científica.
O único trunfo político que o presidente tem no momento, dizem as fontes, é a vacina. Porém, há
enormes dificuldades em acelerar o processo de imunização da população por conta da baixa
oferta mundial.

Auxiliares temem que o presidente carregue a culpa pela alta de mortes que está por vir. Avaliam
que o sistema hospitalar do Brasil "sempre foi ruim e deficitário". E que seria difícil evitar o colapso
em meio à pandemia.

O discurso ontem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva aumentou os temores no
entorno de Bolsonaro quanto à sua responsabilização pela tragédia e acendeu alertas quanto à
possibilidade de reeleição.

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, e o recém-empossado secretário especial de
Comunicação Social, almirante Flávio Rocha, trabalham para tentar melhorar a imagem do presidente. Foi deles a ideia de que Bolsonaro aparecesse de máscara ontem em uma solenidade
no Planalto, horas após a fala de Lula.

Uma fonte militar afirma que Bolsonaro não tinha até ontem adversário, e passou a ter com a
anulação das condenações contra o petista. A reeleição de Bolsonaro, que parecia assegurada
pela falta de um rival à altura, pode estar ameaçada a depender das costuras feitas por Lula até a
eleição, do andamento da pandemia, da retomada da economia.

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino