Paulinho da Força e ex-presidentes latinos assinam manifesto pró-Lula

Paulinho da Força e ex-presidentes latinos assinam manifesto pró-Lula

Deputado votou para afastar Dilma, mas procurou ex-presidente por apoio na reforma trabalhista Advogado de defesa do petista diz que falar em prisão é ato de cunho político ou de ´pessoas desinformadas´

Deputado votou para afastar Dilma, mas procurou ex-presidente por apoio na reforma trabalhista Advogado de defesa do petista diz que falar em prisão é ato de cunho político ou de ´pessoas desinformadas´

O presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho, assinou nesta quinta-feira (11) manifesto em favor da candidatura do expresidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Deputado pelo Solidariedade, Paulinho votou pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Mas procurou Lula em busca de apoio no Congresso Nacional para discussão da reforma trabalhista. No fim do ano, os dois conversaram ao telefone e deverão se encontrar ainda neste trimestre.

`Se quiserem tirar o Lula, tem que ser na eleição, no voto. Não no tapetão`, disse Paulinho.

O abaixo-assinado é feito em razão do julgamento de Lula pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal), em Porto Alegre, marcado para dia 24. Se o colegiado confirmar a condenação no caso do tríplex de Guarujá, o ex-presidente pode se tornar inelegível.

Na primeira instância, ele foi condenado a nove anos e meio de prisão pelo juiz Sérgio Moro. O petista nega as acusações.

O secretário-geral da Unasul e ex-presidente da Colômbia, Ernesto Samper, também assinou manifesto pelo direito de Lula concorrer. Em maio de 2016, Samper provocou reação do governo Temer ao questionar publicamente a legalidade do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, afirmando que o processo expunha o Brasil à aplicação de cláusula democrática da Unasul.

Ministro das Relações Exteriores à época, o ex-governador José Serra afirmou que os argumentos de Samper eram errôneos e deixavam `transparecer juízos de valor infundados e preconceitos contra o Estado brasileiro e seus poderes constituídos`.

Além de Samper, outros três ex-presidentes assinaram o documento em apoio candidatura de Lula: Cristina Kirchner (Argentina), José Pepe Mujica (Uruguai) e Rafael Corrêa (Equador).

Os aliados de Lula trabalham para garantir maior volume de assinaturas ao manifesto que, lançado no dia 19 de dezembro, reúne cerca de 150 mil signatários.

DEFESA

O advogado Cristiano Zanin Martins, que defende Lula em processos da Operação Lava Jato, disse nesta quinta (11), em São Paulo, em entrevista ao UOL, que pedir a prisão do petista é um ato de cunho político, `ou até de pessoas desinformadas`, que não faz sentido.

`Ao nosso ver, realmente não tem o menor sentido pessoas falarem de prisão. Ao meu ver, é uma manifestação muitas vezes de cunho político ou até de pessoas desinformadas. Quando você pergunta ´por que tem de ser preso?´, a maior parte das pessoas nem sequer sabe responder. Aliás, muitas pessoas nem sequer sabem a acusação que existe contra o expresidente Lula`, afirmou.

O advogado disse não trabalhar com a possibilidade da prisão de Lula por considerar `claro que o ex-presidente não praticou qualquer crime`. Segundo ele, a acusação do MPF (Ministério Público Federal) é `totalmente descabida` e gerou uma sentença `frágil`.

Zanin disse não ter condições de responder se Lula será candidato mesmo se for condenado em segunda instância, o que, em tese, impediria o petista de disputar as eleições deste 2018. (CATIA SEABRA)

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino