ONU afirma que Amazônia corre o risco de virar savana

ONU afirma que Amazônia corre o risco de virar savana

19:40 - Relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento alerta para perda de floresta com incêndios e novos usos da terra

BRASÍLIA - O relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) dá grande destaque ao meio ambiente, às pressões que o homem exerce sobre o planeta e cita diversas vezes o Brasil. O documento diz que, embora a Covid-19 tenha absorvido a atenção do mundo, as crises que já existiam continuam em curso, dando como exemplo os incêndios no Pantanal.

O texto, que traz dados sobre a colocação do Brasil no ranking de IDH, afirma que ecossistemas como a Amazônia “enfrentam o risco de mudar de floresta tropical para savana” devido à perda de mata causada por incêndios e mudanças no uso da terra.

“Agricultores e trabalhadores agrícolas às vezes ateiam fogo para preparar a terra para replantio ou para limpar ervas daninhas. Em 2018 e 2019, a Bolívia e o Brasil experimentaram grandes perdas em florestas primárias — no Brasil principalmente por extração de madeira e desmatamento para novos usos da terra e agricultura”, diz o relatório.

Brasileiros no interior de Portugal: Covilhã tem custos baixos para pequenos negócios

Para o Pnud, “as luzes de advertência da natureza e da sociedade estão piscando em vermelho”, diante das mudanças climáticas. Segundo o documento, “nenhum país do mundo alcançou a combinação mágica de alto desenvolvimento humano e baixa pressão planetária — ainda”.

Carlos Nobre: 'Desmatar é acabar com o futuro. Dá lucro a poucos por pouco tempo’

Por conta da floresta e da poluição gerada em outros países, o Brasil ganha dez posições no ranking do IDH quando esse índice é ajustado às pressões sobre o planeta.

Clima extremo

De acordo com o documento, o mundo está desestabilizando os próprios sistemas de que precisa para sobreviver a uma velocidade e escala sem precedentes, citando o aumento da fome e da quantidade de calamidades relacionadas a desastres naturais.

“Já afetados por cada vez mais furacões e incêndios florestais, os países mais pobres podem enfrentar até mais cem dias de clima extremo por ano até 2100. Apesar de serem os maiores responsáveis por causar as mudanças climáticas, os países ricos poderiam reduzir esse número em 18 dias”, afirma o texto.

Global Witness: JBS, Marfrig e Minerva compraram gado de 379 fazendas em áreas de desmatamento ilegal

O documento ressalta ainda que as ações dos povos indígenas, cuja gestão ajuda a proteger grande parte da floresta tropical do mundo, compensa o equivalente a todas as emissões de carbono de 1% das pessoas mais ricas do mundo.

“No entanto, eles continuam a enfrentar dificuldades, perseguição e discriminação em muitas partes do mundo”, assinala.

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino