Nível de satisfação com democracia no mundo é o menor das últimas décadas, aponta pesquisa

Nível de satisfação com democracia no mundo é o menor das últimas décadas, aponta pesquisa

29/01 - 18:23 - Segundo relatório publicado pela Universidade de Cambridge, menos de 20% da população brasileira estão satisfeitos com a democracia

De acordo com um relatório da Universidade de Cambridge, mais da metade da população do mundo está insatisfeita com o sistema democrático, atingindo o nível mais alto em 25 anos, desde que a série "Global satisfaction with democracy" ("Satisfação global com a democracia", em tradução literal) passou a ser realizada.
O índice de insatisfação, verificado em 154 países, aumentou quase 10% desde a década de 90, tendo alcançado a marca recorde de 57,5% no ano passado, aponta o relatório. Entre as razões indicadas estão a crise econômica de 2008, a crise de refugiados, a polarização política e a falta de resposta dos governos para problemas econômicos e sociais.
Em democracias mais populosas, o índice de insatisfação é ainda maior, dizem os pesquisadores. No Brasil, por exemplo, menos de 20% das pessoas estão satisfeitas com o regime político. Estados Unidos, Nigéria e México também encabeçam a lista.
<
Ainda de acordo com o relatório, a ascenção de líderes populistas seria mais uma consequência do que uma causa da perda de legitimidade da democracia.
O estudo cita como exemplo o Brasil, onde, segundo os pesquisadores, houve uma "breve exceção" ao mal-estar democrático no governo de Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010). Porém, a crise institucional desencadeada pela Lava-Jato, que expôs o clientelismo generalizado e o nepotismo presentes no sistema político brasileiro, levaram à vitória, em 2018, do candidato de direita Jair Bolsonaro, cuja plataforma trazia uma "nostalgia dos governos da ditadura militar", assinala o estudo.
A pesquisa foi realizada em 154 países da América do Norte, América Latina, Europa, África, Oriente Médio, Ásia, Austrália, Nova Zelândia e Nova Guiné, que totalizam uma população  de 2,43 bilhões de pessoas.
Ciclos de instabilidade
Publicado nesta quarta-feira, o estudo faz referência a "ciclos de instabilidade" na América Latina. De acordo com os pesquisadores, ao  longo do século XX, as recém-criadas  democracias latino-americanas tiveram suas instituições atacadas diversas vezes, "culminando em golpes militares, guerras civis, revoluções populistas e ditaduras de partido único".
 
Ainda segundo o relatório, a América Latina estaria vivendo agora uma "onda reversa": após longo período de avaliações positivas — alcançada por líderes como o então presidente Lula, no Brasil; Michelle Bachelet, no Chile; e Cristina Kirchner, na Argentina — hoje, mais de três em cada quatro cidadãos latino-americanos avaliam negativamente o desempenho da democracia — um número recorde.
O relatório dá conta também de que "ao redor do mundo, a democracia está em estado de profundo mal-estar", mas que em democracias em desenvolvimento, como as da América Latina, escândalos de corrupção, conflitos locais, violência urbana e altos índices de desigualdade social tornaram o cenário ainda mais dramático.
Artigo:Trump está abusando também de seu poder sobre tarifas comerciais
Na América Latina, a preferência pela democracia em detrimento a outras formas de governo caiu para menos da metade do que costumava ser até 2018. Já o de pessoas que acreditam que os altos índices de criminalidade e corrupção justificam um golpe militar alcançou a marca de 37%.
Ilhas de exceção
Suíça, Dinamarca, Noruega, Holanda e Luxemburgo — que representam menos de 2% da população residente em territórios democráticos do mundo —, ao contrário, atingiram números recordes de satisfação com a democracia: menos de um quarto de seus cidadãos disseram estar descontentes com o sistema político.
— Se a confiança na democracria está diminuindo é porque as instituições democráticas fracassaram em lidar com algumas das principais crises de nossa era, desde colapsos econômicas até a ameaça do aquecimento global — disse Roberto Foa, um dos autores da pesquisa, à BBC. — Para restaurar a legitimidade da democracia, isso precisa mudar.
 

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino