Membros da delegação do Boca são acusados de lesão corporal e recebem ajuda da embaixada argentina

Membros da delegação do Boca são acusados de lesão corporal e recebem ajuda da embaixada argentina

A embaixada e o consulado da Argentina no Brasil informaram que o embaixador Daniel Scioli pediu para o cônsul em Belo Horizonte, Santiago Muñoz, que desse suporte à delegação do Boca Juniors durante a detenção da equipe. Muñoz chegou ao Mineirão pouco depois da partida contra o Galo.

Depois da confusão causada no Mineirão após serem eliminados pelo Atlético-MG, a delegação do Boca Juniors passou a noite na delegacia. Eles prestaram depoimento na 6ª Delegacia Regional da Polícia Civil de Belo Horizonte, e outros oito integrantes do clube argentino tiveram de comparecer a uma outra delegacia a pedido da Polícia Militar de Minas Gerais para novos esclarecimentos sobre a briga generalizada com membros do Atlético-MG.

Em contato com a sala de imprensa da PM, as câmeras de segurança do estádio identificaram os jogadores Javier García, Carlos Zambrano, Carlos Izquierdoz, Marcos Rojo e Sebastián Villa; o preparador de goleiros Fernando Gayoso; o assistente técnico Leandro Somoza; e o diretor Raúl Cascini, que foram acusados de lesão corporal, agressão e destruição de patrimônio público.

Os argentinos foram detidos pela Polícia Militar de Minas Gerais e levados à delegacia.

Os policiais analisaram as imagens do circuito interno de vigilância do Mineirão para identificar os envolvidos, que foram levados para a Central de Flagrantes (Ceflan 4), no bairro Alípio de Melo, região Noroeste de Belo Horizonte.

Pela detenção, a delegação argentina não pegou o voo de volta para Buenos Aires em Confins, que estava marcado para meia noite. Os responsáveis do clube tiveram de remarcar a viagem da equipe para às 15h30 desta quarta-feira, 21 de julho.

Embaixada e consulado deram suporte ao Boca em BH

A embaixada e o consulado da Argentina no Brasil informaram que o embaixador Daniel Scioli pediu para o cônsul em Belo Horizonte, Santiago Muñoz, que desse suporte à delegação do Boca Juniors durante a detenção da equipe. Muñoz chegou ao Mineirão pouco depois da partida contra o Galo.

-Foi realizada a assistência e acompanhamento consular à delegação do clube, após a partida, em uma Delegacia de polícia. Se espera que todos os integrantes da equipe retornem ao país nas primeiras horas da tarde-disse o cônsul.

Incidentes começaram logo após o fim do jogo

Em várias imagens que circularam nas redes sociais, mostraram membros do elenco e staff do Boca Juniors em situações agressivas, tentando invadir o vestiário do Atlético e usando até um extintor de incêndio como arma para o confronto, que também teve atos de vandalismo como a quebra de TV´s, grades e bebedouros.

A revolta dos atletas da equipe argentina foi pelo gol anulado durante a partida, quando o VAR chamou o árbitro, mostrando uma irregularidade na jogada.

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino