Macron, que já felicitou Biden, recebe chefe da diplomacia de Trump sem câmeras nem microfones

Macron, que já felicitou Biden, recebe chefe da diplomacia de Trump sem câmeras nem microfones

17:00 - Encontro foi 'em total transparência com a equipe do presidente eleito', segundo o governo francês

PARIS — O presidente francês, Emmanuel Macron, que já parabenizou Joe Biden pela vitória nas eleições americanas, recebeu nesta segunda-feira o chefe da diplomacia dos EUA, Mike Pompeo, que ainda não admitiu a derrota de Donald Trump. O encontro no Palácio do Eliseu, residência oficial do presidente francês, não teve câmeras nem microfones.

O governo francês afirmou que o encontro foi solicitado pelo próprio Pompeo e "em total transparência com a equipe do presidente eleito, Joe Biden". Antes, o chefe da diplomacia dos EUA havia se encontrado da mesma forma com o ministro francês das Relações Exteriores, Jean-Yves Le Drian

— Foi normal e respeitoso com o governo americano — afirmou uma fonte diplomática francesa, sem dar detalhes.

Novo governo:Eleição de Biden gera desconfiança na Rússia e alívio na União Europeia

Macron foi um dos primeiros líderes a parabenizar Biden por sua vitória na eleição nos Estados Unidos e a falar com ele por telefone. Adversário do democrata no pleito, Trump ainda não reconheceu sua derrota mais de uma semana após o anúncio do resultado, projetado pelos meios de comunicação americanos a partir das apurações estaduais.

O próprio Pompeo se recusou a reconhecer a vitória de Biden antes de embarcar para a viagem pela Europa e pelo Oriente Médio, que começou em Paris.

— Haverá uma transição tranquila para um segundo governo Trump — disse ele na semana passada, antes de criticar líderes estrangeiros que já contactaram o democrata.

Nas reuniões as autoridades discutiram sobre sobre o conflito entre a Armênia e o Azerbaijão na região de Nagorno-Karabakh e sobre a "unidade transatlântica", frequentemente criticada por Trump, segundo fontes diplomáticas americanas e francesas.

Pompeo denunciou o "comportamento desestabilizador" do Irã e alertou contra "a atividade maligna do Partido Comunista da China na Europa", segundo um comunicado de seu porta-voz.

O chanceler francês, na conversa com Pompeo, disse que seria contrário à aceleração da retirada das tropas americanas do Afeganistão e do Iraque, como Trump planeja fazer antes do fim de seu mandato, em 20 de janeiro.

Análise: Direita populista radical sofre baque com fracasso de Trump, mas está longe de sucumbir

O chefe da diplomacia americana, também nesta segunda-feira, homenageou as vítimas dos recentes atentados na França.

Após Paris, Pompeo seguiu para a Turquia e deve visitar também a Geórgia, Jerusalém e o Golfo Pérsico.

Macron: UE não pode voltar a depender dos EUA

O presidente francês Emmanuel Macron disse que a União Europeia deve prosseguir com seus esforços para desenvolver sua capacidade de atuar de maneira independente em questões de tecnologia, finanças internacionais e defesa, mesmo após Biden assumir nos EUA.

Em uma entrevista ao jornal francês Le Grand Continent, Macron disse que os líderes da UE não devem permitir que a derrota de Trump os convença de que podem voltar a contar com os EUA para garantir a segurança europeia e defender os interesses do bloco.

— Os Estados Unidos só nos respeitarão como aliados se formos sérios e soberanos em relação à nossa defesa — disse Macron. — Precisamos continuar a construir nossa independência para nós mesmos.

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino