Lula personifica tolerância à corrupção diante de ações sociais

Lula personifica tolerância à corrupção diante de ações sociais

Dados do Datafolha mostram opinião pública dividida em relação à figura do ex-presidente

Pesquisa Datafolha divulgada nos últimos dias trouxe uma aparente contradição: como pode a maioria dos brasileiros defender a prisão do ex-presidente Lula, em função da Operação Lava Jato, mas mesmo assim escolher novamente o petista para ocupar o cargo nas eleições do próximo ano? Uma observação mais atenta dos resultados e da freqüência de suas ocorrências já esclarece bastante a questão. A posição sobre a pena de Lula está longe de ser unânime com base no total da amostra, 54% acham que ele deve ser preso, mas 66% duvidam que isso aconteça de fato. A reprovação de sua prisão chega a 81% entre seus eleitores, mas mesmo entre os que apoiam determinados candidatos, como Marina Silva, por exemplo, um quarto do estrato é contra. Nas simulações eleitorais, seu melhor desempenho soma 48% numa hipótese de confronto contra João Doria (PSDB) no segundo turno. Com base em sua taxa de rejeição (42%), é possível afirmar que seu potencial máximo, hoje, chega a 58% das intenções de voto. O conjunto destes dados, com percentuais muito próximos a 50%, mostra, na verdade, a opinião pública dividida em relação à figura do ex-presidente. A conclusão, no entanto, nos remete a outro paradoxo: como Lula consegue manter esse capital eleitoral, em meio a denúncias da Lava Jato, mesmo com 87% dos entrevistados dizendo que valorizam muito um candidato a presidente que nunca tenha se envolvido em casos de corrupção? A resposta está no grau de concordância dos brasileiros com algumas frases aplicadas pelo Datafolha para medir a tolerância da população com a corrupção na política. FINS Da análise conjunta de uma matriz com seis frases, quatro de correlação direta com o tema, percebe-se que essa taxa elevada de eleitores que condenam tal crime cai praticamente pela metade quando ele é associado a determinados fins. No total, apenas 40% dos entrevistados mantêm-se firmes na posição de condenar a corrupção sob qualquer aspecto. A maioria (60%) a admite, mesmo que em parte, em algum momento, dependendo da finalidade a que é associada. Entre os que pretendem votar em Lula, eleitorado de menor renda e baixa escolaridade, esse percentual chega a 77%. Também é elevado entre os mais jovens. Com tal perfil, fica fácil compreender, dentre as frases testadas, o motivo da afirmação `a corrupção é até aceitável se ela servir para manter um governo que combata a pobreza` ser a que mais divide opiniões. Entre os que querem votar no ex-presidente, 38% discordam totalmente do ponto, enquanto 50% concordam pelo menos em parte. Entre os eleitores de Bolsonaro, essas taxas correspondem a 72% e 21%, respectivamente. Outras frases que relativizam junto ao eleitorado a criminalização da corrupção são: ` A corrupção é até aceitável no país se servir para gerar empregos e fazer a economia crescer` e `Se um governante administra bem um país não importa se ele é corrupto ou não`. A explicação para a tolerância com a corrupção diante de ações sociais está justamente no peso quantitativo do eleitorado mais carente em um universo onde 47% têm renda familiar mensal de até dois salários mínimos, taxa que cresce para 66% quando se inclui até três salários, a demanda por políticas públicas para a diminuição da desigualdade sempre gera apelo eleitoral. Em tempo: a maioria dos entrevistados concorda, mesmo que em parte, com a frase: `Tanto as qualidades quanto os defeitos dos políticos brasileiros são um retrato da população do país`. APENAS 40% DOS ENTREVISTADOS MANTÊM-SE FIRMES NA POSIÇíO DE CONDENARA CORRUPÇíO SOB QUALQUER ASPECTO;A MAIORIA (60%) A ADMITE, MESMO QUE EM PARTE, DEPENDENDO DA FINALIDADE A QUE É ASSOCIADA 0 MELHOR DESEMPENHO DE LULA SOMA 48% NUMA HIPÓTESE DE CONFRONTO CONTRA JOíO DORIA (PSDB)

Mauro Paulino y  Alessandro Janoni

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino