Justiça de Buenos Aires ordena reabertura de escolas, em derrota para Fernández

Justiça de Buenos Aires ordena reabertura de escolas, em derrota para Fernández

13:47 - Medida acirra tensões políticas entre presidente argentino e Horacio Rodríguez Larreta, prefeita da capital, em relação a medidas para frear onda de Covid

BUENOS AIRES - As escolas em Buenos Aires foram abertas na manhã desta segunda-feira, depois que os juízes Marcelo López Alfonsín, Nieves Macchiavelli e Laura Perugini, da Câmara de Recursos Administrativa, Tributária e de Relações de Consumo de Buenos Aires, rejeitaram na noite de domingo, por unanimidade, a ordem federal que exigia que as aulas ocorressem de forma virtual por duas semanas a partir de hoje, para conter a disseminação da Covid-19.

A decisão foi tomada depois que a procuradora de Buenos Aires, Karina Chichero, se pronunciou em favor das ações apresentadas por organizações de pais e professores para que as aulas não fossem suspensas. As ações pediam a anulação imediata do decreto presidencial da última quarta-feira, que suspendia por 15 dias as aulas presenciais na capital argentina.

A decisão tende a aumentar as tensões políticas entre o presidente Alberto Fernández, que disse que o fechamento das escolas era necessário para frear o crescimento dos casos de coronavírus na cidade, e o governo de Buenos Aires, liderado pelo prefeito Horacio Rodriguez Larreta, da oposição, que foi contra a volta das aulas não presenciais.

Fernández criticou a posição da procuradora em entrevista ao site de notícias El Destape na noite de domingo.

— Eles estão tomando medidas que são de domínio exclusivo da Justiça federal — disse ele.

Larreta solicitou que houvesse negociações imediatas sobre a situação das escolas com Fernández e também entrou com uma ação na Suprema Corte do país. O tribunal máximo ainda não examinou a questão.

— É com muito orgulho que informo a vocês que, na cidade de Buenos Aires, as escolas abrirão amanhã. Nós tomamos decisões baseadas em dados — afirmou Larreta em uma entrevista coletiva no domingo.

A decisão de última hora dos juízes de primeira instância fez com que os responsáveis pelas escolas em Buenos Aires trabalhassem no final do domingo para dizer aos pais que mandassem seus filhos para as aulas. Na manhã desta segunda-feira, em diversos pontos da cidade, incluindo as proximidades da Quinta de Olivos, residência oficial do presidente da Argentina, registraram protestos pedindo que Fernández mantenha as escolas abertas.

A abertura dos colégios ocorre em meio a um crescimento de casos na Argentina. O país registrou um recorde diário de 29.472 novos casos de coronavírus na sexta-feira.

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino