Guedes confirma, por mais 2 meses, auxílio emergencial

Guedes confirma, por mais 2 meses, auxílio emergencial

Governo ratificou criação do Renda Brasil, que substituirá o Bolsa Família

O ministro Paulo Guedes (Economia) confirmou nesta terça (9) que o governo pagará mais duas parcelas do auxílio emergencial a trabalhadores e lançará um projeto de renda mínima, o Renda Brasil, além de retomar o Programa Verde Ama relo, que prevê impulsionai empregos e flexibiliza con tratos de trabalho. A informação sobre o lan çamento do Renda Brasil foi antecipada pela Folha. Em reunião com deputados na segunda (8), Guedes disse que o programasubstituirá o Bolsa Família e será mais abran gente, incluindo parcela dos informais identificados pelo governo durante a pandemia ao coronavírus. Na mesma ocasião, o ministro informou que o Executivo deverá pagar por mais 60 diaso auxílio emergencial, mas em duas parcelas de R$ 300, valor inferior aos R$ 600 pagos atualmente. A primeira parcela do auxílio foi paga em abril e a previsão era a de que ele durasse três meses. `O presidente jálançou ecomunicou que por dois meses nós vamos estender o auxílio emergencial. Nós estávamos num nível de emergência total, a R$ 6ao. Nósvamos começar agora uma aterrisagem com uma unificação de vários programas sociais e o lançamento de um Renda Brasil, que o presidente vai lançar porque aprendemos também durante essa crise que havia 38 milhões de brasileiros in visíveis e que também merecem ser incluídos no mercado de trabalho`, afirmou Guedes nesta terça, e in reunião do conselho do governo. O ministro não deumais detalhes sobre o programa. Segundo integrantes da equipe econômica, diversas áreas do ministério estão fazendo estudospara finalizar o projeto. Nesta terça, Guedes também disse que o governo pretende retomar o Programa Verde Amarelo. O presidente chegou a enviar ao Congresso uma medida que criava o programa, mas ela perdeu a validade antesde ser aprovada pelos parlamentares. `Vamos lançar um programa verde amarelo, q ue o p re sidente durante a campanha já tinha dito. Há regimes que tem muitos direitos epouquíssimos empregos. E há 40 milhões de brasileiros andando pelas ruas sem carteira assinada, só que agora nós sabe mos quem eles são. Nós digitalízamos e temos o endereço de cada um. E nósvamos formalizar esse pessoomeal todo porque eles são brasileiros como todo mundo, mas eram invisíveis. Então, nós vamos estar lançando isso daqui a pouco`, afirmou. `Esperamos que nesses 60 dias [depagamento de auxílio emergencial] haja a organização de retorno seguro ao trabalho e depois entramos numafasefmalmente de decolarmos novamente atravessando a duas rodas`, continuou. Após deixar a reunião, Bolsonaro comentou a decisão. `A ideía da eq uipe econômica, a minha também, é mais duas parcelas talvez de RS 300. Sei que tem parlamentar querendo lí$ 60a. Se fizeremprojeto para diminuir para a metade o salário do parlamentar, e esse dinheiro ir para pagar isso aí, tudo bem` Durante a reunião, Guedes afirmou que o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, vai anunciai nesta semana o aperfeiçoamento de programas e novas iniciativas. `Da mesma forma a Caixa Econômica, o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimen to Social) e o Banco do Brasil. Então, vem aí mais R$ 36 bilhões, já existiam de folhas de pagamento`, disse. Guedes também disse que o governo vai liberar R$15,9 bi lhões de FGO (Fundo de Garantia de Operações) para microempresários, mais R$ 20 bilhões de FGI (Fundo Garan tidor de Investimentos) para pequenas e médias empresas. `Pela primeira vez, 3/2 milhões de contribuintes, pequenas empresas ou pequenas pessoas jurídicas, que sempre foram chamados pela Receita para contribuir,desta vezestão sendo chamados pelaReceita para receberem atê3o% do faturamento médio mensal dos últimos 12 meses. Vão tomar um susto ao serem chamados pela Receita, falando ´olha tenho dinheiro para você, para o seu capital de giro, para você agüentar a crise.´` Segundo Guedes, somando as ações, o governo terá gasto cerca de R$ 900 bilhões. Isso pressiona os orçamentos este ano, mas sabemos que ano que ve m tudo volta ao normal.

Medida não pode ser prorrogada se reduzir o valor, afirma Maia

O governo precisa enviar u m a p roposta a o Co ngresso se quiser reduzir o valor do auxílio emergencial de R$ 600, como deseja Paulo Guedes, afirmou nesta terçafeira (9) o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Guedes confirmou que o governo pagará mais duas parcelas do auxílio. O valor, no entanto, será deR$ 30a, metade dopago atualmente. A primeira parcela do auxílio foi paga em abril e a previsão era a de que ele durasse três meses. Maia afirmou que a redução do valor exige aval do Congresso. `O governo tem autorização para renovar auxilio pelo mesmo valor. A lei não permitequeo governo possa reduzir o valor. Se for reduzir o valor, precisa encaminhar ao Congresso uma proposta que será votada com urgência pela Câmara e pelo Senado.` O deputado também comentou a intenção do governo de lançar o Renda Brasil, além de retomar o Programa Verde Amarelo, que prevê impulsionar empregos e flexibiliza contratos de trabalho. Para Maia, usar os atuais programas p ara c onstruir um de renda mínima não acontece `da noite para o dia`. Observado por Bolsonaro, o ministro Paulo Guedes em reunião em Brasília Marcos Corrêa/ Divulgação Presidência da República

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino