Governo suspende taxas de importação de soja e milho

Governo suspende taxas de importação de soja e milho

Válida até o fim do ano, medida pode ajudar setor de aves e suínos

O Comitê Executivo de Gestão (Gecex) da Câmara de Comércio Exterior (Camex) decidiu
zerar a Tarifa Externa Comum (TEC) para a importação de milho e soja e derivados de
países de fora do Mercosul até o fim deste ano. O objetivo é garantir o abastecimento interno e
a competitividade do segmento de carnes brasileiro, que encara forte aumento de custos por
causa dos elevados preços desses grãos, insumos básicos para a alimentação de aves e
suínos.
“Estamos analisando diversas maneiras de contribuir para a competitividade do setor de carnes
do Brasil em um cenário de pressão de preços, tanto para assegurar um bom desempenho da
cadeia quanto o abastecimento doméstico a custos acessíveis”, afirmou ao Valor o secretárioadjunto de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Flávio Bettarello.
De acordo com a decisão, voltam a ser suspensas as tarifas de 8% sobre as importações de
soja em grão e de milho, de 10% sobre óleo de soja e de 6% sobre farinha e pellets.
A isenção entrará em vigor sete dias depois da publicação da resolução do Gecex. Valerá para
a importação de milho em grão e da soja mesmo triturada, além do óleo, do farelo e de pellets
da oleaginosa. Não foram estabelecidas cotas máximas para as compras. A decisão foi
tomada em reunião extraordinária do colegiado realizada ontem.
Em outubro do ano passado, a Camex já havia zerado a TEC para a importação de soja e
milho. Os prazos se esgotaram em 15 de janeiro, para soja e derivados, e em 31 de março
para o milho. A expectativa era de que haveria estabilização dos preços externos e que a
colheita da safra de verão ajudaria a reequilibrar o mercado, principalmente para o setor da
proteína animal. Mas isso não aconteceu.
Mesmo com colheitas recordes de soja e milho nesta temporada 2020/21, os preços internos
seguiram em alta em consequência da forte demanda externa e da manutenção da
desvalorização do real frente ao dólar.
A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), que representa grandes empresas como
BRF e Seara (JBS), comemorou a decisão. A entidade já havia pedido a prorrogação da
isenção ao Ministério da Agricultura no início do mês.
“A gente acha que é uma alternativa importante para acabar com a pressão inflacionária e
especulativa que estava acontecendo [no mercado]”, comentou Ricardo Santin, presidente da
ABPA

O dirigente vê com bons olhos a expansão do leque de origens para as compras da indústria.
Segundo ele, as empresas já estão aguardando a chegada de dois navios com cargas de
milho da Argentina para os próximos dias, e não descartam mais importações - agora também
de outros grandes produtores mundiais.
O indicador Esalq/BM&FBovespa para a saca de 60 quilos de milho alcançou ontem R$ 97,91,
com alta de 90% nos últimos 12 meses e um novo valor recorde - e, segundo o Centro de
Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), vendedores já pedem mais de R$ 100.
Já o indicador Cepea/Esalq para a saca de soja negociada no interior do Paraná voltou a
superar a barreira de R$ 172, com valorização de 81% em 12 meses e muito perto da máxima
de R$ 172,66 registrada no último dia 14.

Por Rafael Walendorff e Rikardy Tooge

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino