Coronavirus  ●  Estados Unidos  ●  Islas Malvinas  ●  Mercosur  ●  Mercosur-UE  ●  Venezuela

Governo avalia nomes como plano B para o comando do Senado

Governo avalia nomes como plano B para o comando do Senado

Inércia de Alcolumbre contra derrubada de veto colocou Planalto em alerta; Márcio Bittar (MDB-AC) é uma opção

Em uma semana de derrotapara o governo noSenado, o presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), perdeu um pouco do apoio do Palácio do Planalto à sua reeleição ao cargo.

Para além das questões jurídicas, Alcolumbre precisa recuperar o prestígio construído com o governo ao longo de meses para não perder musculatura na disputa. Ele vem tentando se firmar como a opção de Jair Bolsonaro (sem partido) e se manter à frente da Casa.

Na semana passada, a derrubada no Senado do veto que impedia reajuste de salários para servidores implodiu a relação do governo com sua base na Casa e deixou o Planaitoem alerta com Alcolumbre.

Novos nomes já surgem fortes e próximos do Palácio para a disputa ao comando da Casa. O principal é Márcio Bittar (MDB-AC), relator da proposta orçamentária. Sua proximidade com o ministro da Economia, Paulo Guedes, ajuda.

Valídador do voto dos parlamentares no projeto que prevê ajuda deR$ 125 bilhões aos estados emunicípios, que teve o trecho que impedia reajustes vetado por Bolsonaro, Alcolumbre evitou indisposição com os pares diante de uma iminente necessidade de votos para a eleição.

Ele se ausentou na sessão que derrubou o veto, deixando o governo e Paulo Guedes nas mãos do presidente da Câmara, Rodrigo Maia(DEM-RJ). A Câmara reverteu a situação e manteve o veto.

Estremecendo mais a relação, Alcolumbre assinou requerimento para que Guedes preste explicações ao Senado por classificar de` crime contra o país` a decisão do Senado. Procurado, o presidente do Senado não se manifestou.

`Graças ã articulação na Câmara, o govemo conseguiu reverter. E claro que [aderrubada do veto] abala a situação do Davi`, disse o vice-líder do governo no Senado, Chico Rodrigues (DEM-RR).

Segundo Rodrigues, a letargia de Alcolumbre causou estranheza no palácio. Masnão foi surpresa o voto de Márcio Bittar pela manutenção do veto. Ele também atuou por vo toem favor do governo junto aos colegas. Foi aí que a possível candidatura de Bittar à Casa, que já era cotada, ganhou força.

`Em política não existe vácuo. Tem de haver os interessados, e têm de estarem alinhados com seus companheiros. Se houver esse vácuo, o Márcio Bittar é um nome forte`, disse o vice-líder.

Relator da proposta orçamentária, Bíttartemse reunido com freqüência com Guedes em Brasília e já avisou que o Orçamento será definido de acordo coma crise econômica provocada pela pandemia.

`A crise ê real e inevitável. É natural que o governo queira fazer o Orçamento mais parecido com ele e ê natura 1 q ue o Legislativo queira colocar sua digital. Mas temos o menor Orçamento dos últimos tempos. Tem de ter muita calma e equilíbrio`, disse.

Alcolumbre também precisa enfrentai- questões jurídicas para se ma nter na disputa. E o Palácio não quer ficar à mercê de decisão judicial sem que haja novaspeças colocadas no tabuleiro eleitoral.

A Constituição veda a reeleição na mesma legislatura. Mas ele trabalha com a opção de aprovar uma PEC (propostade emenda àConstituição) que permitiria isso e beneficiaria também Rodrigo Maía.

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino