Alberto Fernández  ●  Bolivia  ●  Coronavirus  ●  Felipe Solá  ●  Islas Malvinas  ●  Mercosur  ●  Mercosur-UE

Exportação de milho acelera, mas a preço menor

Exportação de milho acelera, mas a preço menor

A exportação de soja desacelera, e os portos ficam abertos, a partir de agora, para o milho. A venda externa do cereal pode superar 2 milhões de toneladas neste mês, 265% mais do que em junho.

A exportação de soja desacelera, e os portos ficam abertos, a partir de agora, para o milho. A venda externa do cereal pode superar 2 milhões de toneladas neste mês, 265% mais do que em junho.

Já a exportação de soja, após somar 9,2 milhões de toneladas no mês passado, deve ser inferior a 7 milhões neste, tomando como base os números de vendas externas já apurados pela Secex (Secretaria de Comércio Exterior).

"O segundo semestre é o período do milho, e a exportação brasileira deste ano deverá ser recorde", diz Leonardo Sologuren, sócio-diretor da consultoria Horizon.

Apesar de a receita com a exportação não ser neste ano tão rentável como foi no anterior, o país vai ter de colocar boa parte da produção no mercado externo. "Não há demanda para todo o milho produzido", diz ele.

Sologuren estima que as exportações brasileiras de milho atinjam 30 milhões de toneladas durante 2017, superando o recorde de 29 milhões, obtido em 2015.

O cenário para o milho neste ano é bem diferente do que foi no anterior. Em 2016, a safra quebrou e o dólar estava elevado, o que garantiu renda para o produtor.

Os preços elevados animaram os agricultores, que aumentaram a área de plantio. Área maior e produtividade melhor vão garantir uma produção recorde, próxima de 100 milhões de toneladas.

A consequência são preços menores neste ano, devido tanto ao volume produzido como ao valor menor do dólar, o que torna a exportação menos atrativa.

Diante desse cenário, o plantio de milho será menor no verão, prevê Sologuren.

A rentabilidade do setor está complicada e vai depender da produtividade. "É um ano decepcionante", afirma ele.

Ruim para o produtor, bom para a indústria de carnes. O milho, com preço menor neste ano, dá mais competitividade à proteína brasileira.

Após os escândalos que vieram a público neste ano, o setor de carnes não suportaria os preços do cereal tão elevados como os do ano passado. Essa é a análise do diretor da Horizon.

A falta de um cenário de liquidez para o produtor fez com que ele postergasse as compras de insumos neste ano, tanto para a soja como para o milho de verão.

Esse atraso preocupa as indústrias, devido à concentração da entrega dos insumos no segundo semestre. Parte dos produtores vai ter dificuldades de compra neste ano. O volume de crédito é maior, mas, segundo Sologuren, não estará acessível a considerável parcela dos produtores.

                                                                                                                                                  *

Sementes - O clima não foi favorável no ano passado, e a oferta menor de sementes para pastagens fez o preço subir 71% no Centro-Oeste. O de algumas variedades aumentou até 250%, segundo o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada).

Em queda - Neste ano, a situação é outra. O clima favoreceu a produção, a oferta aumentou e os preços médios das sementes forrageiras já caem em algumas regiões. A recuperação dos pastos é importante, e a produtividade do setor passa pelo manejo das pastagens.

Degradação - Estatísticas indicam que pelo menos 70% das pastagens brasileiras apresentam algum grau de degradação.

Busca do potencial - O setor de arroz busca países importadores e o potencial de compra deles para o produto brasileiro. Com base nessa busca, o setor terá estratégias e fará estudos desses potenciais mercados, segundo a Abiarroz (associação do setor).

Feira de alimentos - A principal feira de alimentos e bebidas do mundo, a Anuga, vem ao Brasil. Realizada a cada dois anos em Colônia, na Alemanha, a Anufood Brazil, versão da feira internacional do setor de alimentos e bebidas, ocorrerá em 2019 em São Paulo.

Fortalecer negócios - Promovido pela FGV Projetos e pela Koelnmesse, o evento é dedicado a empresas da cadeia de alimentos e bebidas. O objetivo será fortalecer os negócios no mercado local e aprimorar o posicionamento dos produtos brasileiros no cenário internacional.

Soja na Europa - Os países europeus traçam metas para elevar a produção da oleaginosa no continente. O problema é que não chegam a um acordo com relação ao tipo de soja a ser produzido.

Exigência - Boa parte dos países quer produzir soja não transgênica. Alguns contestam essa exigência, uma vez que as importações são de soja transgênica

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino