Ex-presidente do Paraguai é alvo de operação da Lava Jato

Ex-presidente do Paraguai é alvo de operação da Lava Jato

Horacio Cartes é suspeito de ter auxiliado doleiro foragido com US$ 500 mil

O expresidente doParaguai Horacio Cartes foi alvo nesta terçafeira (19) de um mandado de prisão expedido na Operação Patron, desdobramento da Lava Jato do Rio de Janeiro. Cartesé suspeito de ter auxiliado com US$500inil(R$i,07 milhões) o doleiro Dario Messer enquanto ele estava foragido da Justiça brasileira, entre maio de 2018 e julho deste ano, quando foi preso.

Messer ficou, segundo as investigações, até outubro de 2018 no Paraguai, país governadoporC artes ate agosto do a no passado. O ex-p residente foi incluído no alerta vermelho da Interpol. Ainda cabe à Justiça Federal do Rio efetuar o pedido de extradição de Cartes, que está no Paraguai, às autoridades do país. O Ministério Público Federal informou que formulava na tarde desta terça pedido de cooperação jurídica internacional par a o Paraguai.

Segundo o órgão, o pedido não foi produzido anteriormente porque indícios apontavam para um risco de vazamento daoperaçãoassim, as autoridade s brasile iras decidira m aguardar o cumprimento dos mandados de prisão no Brasil. Nesta terça, em entrevista a jornalistas paraguaios, o presidente Mario Abdo Benítez afirmou que o governo paraguaio avaliará a ordem de prisão emitida pela Justiça brasileira.

Ele também disse que nãohá intocáveis 110 Paraguai Marcelo Bretas expediu 17 mandados de prisões preventivas, 3 temporárias e 18 mandados de busca e apreensão. As três prisões temp orár ias e oito preventivas foram cumpridas no Brasil. Todos os alvos já estão presos. Já osnove mandados de prisão preven tiva fora do país ainda não fo ram cumpridos. A operaç ão desta terç a é um desdobramento da Câmbio Desligo, deflagrada em maio de 2018 com a expedição de mandados de prisão contra 50 doleiros, entre elesMesser.

Os alvos da Operação Patronsão pessoassuspeitasde terem oferecido abrigo, ocultado recursos financeiros e fornecido apoio logístico para que essesrecursos chegassem ao doleiro, durante otempo em que esteve foragido. Segundo a Polícia Federal, a investigação identificoucerca de US$ 20 milhões ocultados, no total, sendo U S$ 17 milhões num banco nas Bahamas e o restante no Paraguai. O MPF afirma que Messer enviou uma carta ao ex-presidente Horacio Cartes a quem chamava de `patrão` solicitando US$ 500 mil para gastos jurídicos.

O intermediário desta entrega, segundo o Ministério Público, foi o empresário brasileiro Roque Fabiano Silveira, que vive no Paraguaie foi condenado pela Justiça por contrabando. Cartesé amigo de longa data de Messer, a quem chamava de `irmão de alma`. O expresidente manteve relações próximas com o pai do doleiro, Mordko Messer, que o ajudou nadécada de 1990, quando esteve na mira da Justiça por evasão de divisas.

Apolícia também informou que uma d as famílias que abrigaram Messer, investigada nesta operação, tem uma relação inuito próxima com narcotraficantes ligados àfacção criminosa PCC. A procuradoria também afirma que Messer continuou a atuar como dole iro me smo foragido. Eduardo Campos, presidente do banco Basa, propriedade de Cartes, afirmou à imprensa paraguaia que o ex-presidente não teve contato com Messer enquanto ele era procurado pela Justiça. O ex-presidente é um dos empresários mais ricos do país.

E dono de bancos e empresas que atuam na área do tabaco. Havia queixase denúncias de outros países, como Colômbia e México, de que os cigarros paraguaios piratas, muitos fabricados pelas empresas de Cartes, entravam ilegalmente em seus países. Nos anos 1980, ele foi preso por evasão de divisas e, em 2011, o Wikileaks revelou

Se a acusação [de que o ex-presidente deu US$ 500 mil a Messer] fosse verdadeira, seria absurda. Ainda que fosse verdadeira, uma coisa é abrigar na sua casa. Outra coisa é emprestar dinheiro para alguém pagar advogado Edward Carvalho que os EUA investigavam suas relações com um esquema íntemac ional de narc otráfic o e lavagem de dinheiro.

Cartes também se envolveu com o futeboL Foi presiden te do Libertad de 2001 a 2013, um dos principais clubes do Paraguai, e dirigente da Associação Paraguaia de Futebol. O p aragu aio deixou a presidência em agosto do ano passado combaixa popularidade, com apenas 18% de aprovação.

Emprestar dinheiro para pagar advogado não é crime, diz defesa OUTRO LADO Procurada pela reportagem, a defesa de Cartes afirmou que o decreto de prisão é `absurdo e ilegal` e que irá entrar com habeas eorpus. `Se a acusação f de que o expresidente deu US$ 500 mil a Messer] fosse verdadeira, seria absurda. Ainda que fosse verdadeira, uma coisa é abri gar na sua casa. Outra coisa é emprestar dinheiro para alguém pagar advogado. Emprestai- dinheiro para pagar advogado não é crime`, disse o advogado Edwaid Carvalho.

Ele defendeu, ainda, que o Paraguai não podeextradítar Cartes, umparaguaio nato. Isso porque o Brasil não permite a extradição de brasileiros natos e, segundo a sua interpretação, um dos princípios da extradição éa reciprocidade entre os dois países. Ele argumentou ainda que Cartes não pode ser preso no Paraguai por ter imunidade como ex-presidente e senador. advogado de Horacio Cartes

ítalo Nogueira, Rafael Balago e Ana Luiza Albuquerque

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino