EUA e Japão dão força ao IPO da Athena

EUA e Japão dão força ao IPO da Athena

Estratégia: Aberturas à carne de Uruguai e Argentina melhoram as perspectivas para subsidiária da Minerva

A abertura de capital, na bolsa de Santiago (Chile), da Athena Foods, subsidiária que reúne os negócios da Minerva fora do Brasil, deverá ocorrer em um dos melhores momentos para a indústria de carne bovina da América do Sul. Assim, o braço da companhia brasileira poderá reforçar o discurso de que é lider na exportação de carne bovina na região e inclusive ampliar essa liderança. Em dezembro, Japão e Estados Unidos abriram seus mercados à carne bovina de Uruguai e Argentina, respectivamente. De certo modo, as duas notícias foram a confirmação de um mantra do empresário Fernando Galletti de Queiroz, presidente da Minerva. Em entrevista ao Valor, ele reafirmou a aposta na América do Sul como a região mais competitiva do mundo para a produção de carne. `A abertura desses mercados mostra que a demanda global está se direcionando para a América do Sul`, argumentou.

Na Argentina, onde a Athena é a maior indústria de carne bovina, a Minerva foi o primeiro frigorífico a exportar aos EUA. Em 11 de dezembro, enviou 500 toneladas do produto aos americanos. O potencial de exportações para os Estados Unidos é grande, disse Galletti, lembrando que o país, apesar de ser exportador de carne bovina, é também o maior importador mundial do produto. Conforme projeções do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA), as importações totalizaram 1,4 milhões de toneladas (equivalente carcaça) neste ano, o que representa 16,4% do total global.

`É um mercado importante. Vamos trabalhar para consolidar nossa posição`, afirmou Galletti, sinalizando que a Athena está apta a buscar a mesma participação que tem nas exportações totais da Argentina nos embarques aos EUA. Com somente um abatedouro em funcionamento no país sulamericano a empresa tem outros quatro fechados , a Athena lidera as exportações de carne da Argentina, com fatia de 17%.

Se quiser obter participação semelhante no mercado americano, a Minerva teria de exportar, no médio prazo, 3,4 mil toneladas. Isso porque, ao abrir seu mercado, os Estados Unidos criaram uma cota de 20 mil toneladas com imposto reduzido de US$ 44 por tonelada. Acima dessa cota, os embarques serão tributados em 26,4%. No momento, o governo argentino está discutindo com os representantes da indústria do país como será a divisão de cotas, afirmou Galletti. `Mesmo que tenha uma limitação de cotas, o importante é o acesso sanitário`, acrescentou. Na prática, o reconhecimento das autoridades americanas funciona como um lastro para a abertura de outros mercados que seguem as regras sanitárias dos Estados Unidos.

Para se ter idéia da relevância do mercado, o Brasil hoje não tem acesso ao mercado americano. O país foi proibido de exportar carne bovina in natura aos Estados Unidos no ano passado por causa da detecção de abscessos (acúmulo de pus) na carne nacional. Desde então, o Ministério da Agricultura atua para reverter o veto, que agora depende de vontade política. Para a Minerva Foods, o momento é de aproveitar as oportunidades abertas. Além dos Estados Unidos, o empresário ressalta a importância do Japão, que abriu seu mercado ao Uruguai. Lá, a Athena tem 19% do mercado de exportação. Assim como o mercado americano, o Japão também é cobiçado pelo Brasil. O país asiático é o terceiro maior importador mundial do produto, atrás de EUA e China.

Fernando Galletti evitou fazer comentários sobre o IPO da Athena na bolsa do Chile a empresa está em período de silêncio , mas a operação será fundamental para que a Minerva possa se beneficiar do aumento da demanda pela carne da América do Sul. Além de pagar dívidas com a venda até 35% do capital da Athena, a companhia brasileira pretende usar uma parte dos recursos para abrir um frigorífico na Argentina em 2019. A empresa prevê levantar de R$ 1 bilhão e R$ 1,5 bilhão com o IPO da Athena, negócio que responde por 40% de seu faturamento anual. Em 2018, a Minerva deverá reportar faturamento de R$ 16 bilhões.

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino