Embaixador da Argentina no Brasil tranquiliza executivos da Marfrig

Embaixador da Argentina no Brasil tranquiliza executivos da Marfrig

20/05 Suspensão das exportações de carne bovina no país vizinho será temporária, confirma Daniel Scioli.

O embaixador da Argentina no Brasil, Daniel Scioli, emitiu sinais tranquilizadores à Marfrig nesta quinta-feira, indicando que a suspensão das exportações de carne bovina no país será mesmo temporária e que o objetivo do governo é combater a informalidade e a evasão de divisas, o que é bom para os frigoríficos profissionais.

Na terça-feira, quando os argentinos anunciaram a suspensão das exportações por 30 dias devido à inflação, fontes temiam que a suspensão acabasse prorrogada.

Em reunião na sede da Marfrig, em São Paulo, o embaixador conversou com o CEO da companhia, Miguel Gularte, e o presidente do conselho de administração, Marcos Molina. “Se é temporário e vai combater a informalidade, é positivo”, disse Gularte, em entrevista ao Valor.

Na avaliação do executivo, a visita do embaixador mostra que o diálogo está aberto. Scioli também ficou de organizar uma videoconferência com o presidente da Argentina, Alberto Fernández. A Casa Rosada deseja que a Marfrig mantenha os investimentos que vem fazendo nas fábricas de San Jorge e Villa Mercedes. Em 2020, a companhia comprou, por US$ 4,6 milhões, a Campo del Tesoro, uma unidade que faz hambúrguer para redes como o McDonald’s.

Na Argentina, o grupo brasileiro é grande exportador de carne bovina e líder nos mercados de hambúrguer e salsicha, com as populares marcas Paty e Vienissima. Para a Marfrig, a Argentina representa somente 1,3% da receita líquida. O grupo obtém mais de 80% do resultado nos EUA.

Segundo Gularte, o combate à informalidade dos frigoríficos pode ajudar muito. Empresários que não possuem abatedouros fazem contratos de prestação de serviços para compra carne bovina destinada à exportação. Há casos de exportadores informais que se beneficiam do câmbio paralelo, obtendo 156 pesos por dólar. Na exportação oficial, a taxa é de 56 por dólar. Ao adotar medidas contra isso, o governo estimulará a competitividade das empresas formais.

Na conversa com a Marfrig, o embaixador também mostrou que nem todas as exportações estão suspensas. De acordo com Gularte, as cotas Hilton e 481, destinadas à União Europeia, e a cota para os Estados Unidos estão liberadas. É uma boa notícia na medida em que a carne argentina não perde a preferência nesses mercados para outros países exportadores. Em volume, porém, as cotas não são as mais importantes.

A China é, de longe, o maior comprador da carne do país.

Ao embaixador, a Marfrig pediu que as exportações de hambúrguer feito com carne importada também sejam liberadas antes do fim da suspensão. Como estratégia, a companhia tem produzido parte do hambúrguer na Argentina com carne brasileira e exportado o produto de volta para o Brasil.

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino