Diretor-geral da OMC rebate críticas após congresso sem acordos

Diretor-geral da OMC rebate críticas após congresso sem acordos

15/12/17 - 15:15 - O diretor-geral da OMC (Organização Mundial do Comércio), Roberto Azevêdo, rebateu, nesta sexta-feira (15), as críticas dos Estados Unidos ao entrave das negociações na entidade.

São Paulo - "As negociações estão engrenando. A OMC passou 18 anos sem acordo antes de Bali [edição na Indonésia em 2013]", disse Azevêdo após se encontrar com Paulo Skaf, presidente da Fiesp, em São Paulo, para debater o posicionamento da indústria brasileira.

A 11º edição da OMC, em Buenos Aires, terminou nesta quarta-feira (13) sem consenso sobre nenhuma das propostas debatidas entre os 164 países membros.

Com relação a temas como comércio eletrônico, participação de pequenas e médias empresas e participação das mulheres no comércio, foram formados grupos de alguns países, dos quais o Brasil participará, que trabalharão antes da próxima reunião da OMC para se chegar a acordos multilaterais.

O representante norte-americano, Robert Lighthizer, disse, em Buenos Aires, que a OMC estava se tornando muito centrada na resolução de litígios e perdendo o foco na negociação.

Azevêdo discorda. "Passamos 18 anos andando para os lados e agora, finalmente, estamos olhando para frente. [A OMC] sempre foi focada em litígio."

O diretor da OMC defende que a dinâmica de grupos menores, em oposição à votação no plenário, não é um fracasso, e sim um avanço.

"É um formato diferente, que pode evoluir de maneira mais rápida. Alguns membros não se sentem estimulados com o modelo de consenso, e procuraram conversar com quem quer conversar", afirmou Azevêdo.

Neste ano, o Brasil entrou com recurso após ser condenado na OMC por sua política de subsídios à indústria em setores como automóveis e eletrônicos.

"É esperado que quem perca entre com recurso", comentou Azevêdo.

Além dos Estados Unidos, a Índia também causou problemas na reunião da OMC, demandando segurança jurídica para subsidiar a formação de estoques agrícolas, que considera essenciais para a segurança alimentar.

 

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino