Depreciação do dólar volta a desafiar a Argentina

Depreciação do dólar volta a desafiar a Argentina

Em apenas três dias da semana passada, o Banco Central da Argentina gastou US$ 4,34 bilhões para estancar a desvalorização do peso. Desde janeiro, as reservas encolheram em US$ 6 bilhões e se situam hoje por volta de US$ 58 bilhões. A forte alta tem intenso componente externo, como indica também a depreciação do real, mas no caso argentino tem ingredientes domésticos eum estigma estrutural.

Em apenas três dias da semana passada, o Banco Central da Argentina gastou US$ 4,34 bilhões para estancar a desvalorização do peso. Desde janeiro, as reservas encolheram em US$ 6 bilhões e se situam hoje por volta de US$ 58 bilhões. A forte alta tem intenso componente externo, como indica também a depreciação do real, mas no caso argentino tem ingredientes domésticos eum estigma estrutural.

Grande parte da poupança argentina é feita em dólares e toda vez que a inflação ameaça se desgarrar, grande parte deles voam para fora do país. A recente revoada foi ainda obra de um 5% imposto sobre renda financeira de investidores não residentes de 5%. E toda vez que o dólar sobe sem que o BC consiga detê-lo, sintomas de crise aparecem por todos os lados.

Ontem o peso se desvalorizou quase 3%, em um sinal de que alta dos juros decretada pelo BC, de 27,25% para 30,25%, ainda não produziu efeitos ou foi insuficiente para atingir os objetivos é cedo para dizer. Lembranças de outros episódios de estrangulamento externo, marca registrada das crises argentinas, voltaram ao ambiente dos investidores. Desta vez, porém, o governo não está fazendo as coisas erradas que os governos Kirchner fizeram no passado recente.

O BC não tenta manter uma paridade fixa, com explosão do câmbio paralelo, como nos últimos dias do governo de Cristina, nem utiliza amplamente as reservas para pagar gastos correntes. Mesmo assim, a tesoura dos déficits gêmeos está cortando alguns pedaços da política econômica de Maurício Macri.

Com amortizações e juros, o déficit fiscal é de 5,4% do PIB, apenas um pouco maior que os 5,3% do PIB do déficit em conta corrente (Valor, ontem). Com ambos, a inflação saiu dos parâmetros fixados pelo governo, que teve de ampliar o centro da meta para 15% para este ano e provavelmente desbordarã o teto (17%), segundo expectativa dos analistas, que preveem algo em torno dos 21 %.

O governo Macri executa uma nova rodada de aumento de tarifas para reduzir os enormes subsídios praticados durante o período dos Kirchners e em abril subiram gás, luz e reajustes de 26% na água e 46% nas passagens de metrô, parte de correção escalonada de 66% que levará a passagem em julho a 12,50 pesos ou US$ 0,50, ainda assim, menos da metade da tarifa do metrô paulistano.

A recomposição tarifária é impopular e a abordagem gradual de Macri, que tem razões políticas, impede que a inflação seja reduzida com a velocidade necessária.

Em 2017, os subsídios de energia foram reduzidos nominalmente em 40%, para US$ 6 bilhões, enquanto que o de transportes subiu 13%, para US$ 4,3 bilhões.

A meta de 2018 é mais um corte de 45% para energia e elevação de 5% nos transportes. O gradualismo de Macri segue a realidade de um governo que se elegeu sem maioria, avançou nas eleições legislativas do ano passado e ainda prossegue sem apoio majoritário no Congresso. Macri tem tido êxito em navegar entre as dissidências peronistas, mas nem sempre.

Elaborado pela ala kirchnerista na Câmara dos Deputados, está a caminho de ser aprovado um projeto que retroage as tarifas aos valores de novembro de 2017 eproíbe aumentos reais em 2018 e 2019. Macri ameaçou vetar o projeto se ele receber a sanção do Congresso e manobra junto aos governadores peronistas para que seja barrado no Senado. O duelo se dá em meio à diminuição da popularidade de Macri nas pesquisas e à derrocada do peso, o que contribui para piorar as expectativas de curto prazo. A seca argentina retirará divisas de exportação no momento em que o país perde reservas, enquanto o câmbio pressiona os preços domésticos também dos alimentos, que já subiram.

O conjunto das circunstâncias tende a reduzir o crescimento previsto da economia, de 2,5%. A Argentina não terá um impulso positivo adicional se depender de seu maior parceiro comercial, o Brasil. A recessão ficou para trás, mas a expansão brasileira caminha a um passo muito mais lento do que o necessário. A moeda de ambos está sendo alvejada pelos temores de uma alta mais rápida dos juros nos EUA. Macri continuará a não ter vida fácil até tentar a reeleição, o que, se chegar lá, será um feito considerável na história argentina nenhum político não peronista conseguiu terminar seu mandato em mais de 60 anos.

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino