Da direita à esquerda, uma coalizão anti-Netanyahu em Israel

Da direita à esquerda, uma coalizão anti-Netanyahu em Israel

17:53 - O mérito para a construção de uma coalizão que parece próxima de alcançar o objetivo de colocar um fim aos 12 anos de administração de Benjamin Netanyahu em Israel é de um político centrista chamado Yair Lapid.

Seria uma espécie de versão israelense do presidente francês Emmanuel Macron, mas com uma diferença. Dentro de um complexo e fragmentado sistema político, o líder do partido Yesh Atid conseguiu englobar na sua coalizão partidos da direita à esquerda, além de uma agremiação árabe-israelense de viés islamita. Além disso, optou por não ser o primeiro-ministro.

Chega a ser quase uma mágica o que Lapid conseguiu, encaixando todas as peças. A coalizão terá a participação do nacionalista Avigdor Lieberman, do Nossa Casa Israel (Yisrael Beitenu), com uma base eleitoral de judeus oriundos da ex-URSS; o dissidente do Likud Gideon Sa’ar, do Nova Esperança; o ultradireitista Naftali Bennett, do Yamina; Benny Gantz, do Azul e Branco, de centro-direita; os Trabalhistas, de centro-esquerda; o Meretz, de esquerda; e o partido Ra’am, de Mansour Abbas, um conservador muçulmano árabe-israelense que rompeu com os outros partidos árabes, de viés mais arabista.

Como Lapid conseguiu esta mágica? Sabia que uma coisa unia todos estes políticos — a aversão a Netanyahu. Nenhum deles aguenta mais ver Bibi, como é conhecido o premier, no comando de Israel. Alguns deles são ideologicamente idênticos a Netanyahu, mas não toleram mais vê-lo como líder, com suas maquinações políticas, suas facadas pelas costas, seu egocentrismo e seus múltiplos escândalos de corrupção.

Mas apenas a oposição a Netanyahu não seria suficiente para formar uma coalizão. Era preciso convencer entusiastas da paz com os palestinos, como os integrantes do partido Meretz, a fazerem parte de um governo que inclui políticos hostis à criação de um Estado palestino. Para atingir este objetivo, Lapid fez concessões a todos em seus temas mais importantes, deixando grandes questões de fora, ao menos neste momento.

A maior cartada de Lapid, no entanto, foi abdicar do cargo de premier, que em teoria seria dele, por ser o líder com maior número de cadeiras na coalizão (17), além de representar o centro da política israelense. Ele tampouco permitiu que políticos fortes como Liberman e Sa’ar seja ocupem o cargo. Optou por indicar Bennett. Pode parecer uma contradição, já que Bennett está à direita de Netanyahu, sendo abertamente contra a criação de um Estado palestino, além de ter feito lobby a favor dos assentamentos na Cisjordânia.

A questão é que Bennett não terá como implementar suas políticas antipalestinas em um governo tão diverso. Esbarrará não apenas na esquerda, como no centro e também nos árabes. Tende a se queimar. Lapid também sabe que este governo será instável e o único objetivo é acabar com Netanyahu. Inevitavelmente, no futuro, os atuais aliados serão adversários em uma eleição — se possível, com Bibi atrás das grades. Vamos ver se dará certo. Lapid foi genial, mas Netanyahu, um dos maiores gênios políticos do mundo, ainda está solto.

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino