Cristina Kirchner fala em meio a crise histórica do peronismo e diz que 'realidade' confronta governo Fernández

Cristina Kirchner fala em meio a crise histórica do peronismo e diz que 'realidade' confronta governo Fernández

20:47 - A vice-presidenta da Argentina, Cristina Kirchner, publicou uma carta nesta quinta-feira, 16, em que critica membros do governo de Alberto Fernández, num momento em que o Executivo passa por uma crise após a demissão de vários membros do gabinete ministerial.

Nesta quarta-feira, cinco ministros kirchneristas e alguns altos funcionários anunciaram que estavam deixando o governo, diante da derrota do peronismo nas eleições primárias de domingo, em que o partido do governo perdeu 18 dos 24 distritos do país.

A nota divulgada por Cristina em suas redes sociais foi tão acessada que “o site da vice-presidente ficou saturado”, segundo o jornal local Pagina 12.

“Peço apenas (Alberto Fernández) que honre a vontade do povo argentino”, escreveu a ex-presidente.

Na carta, Kirchner conta todos os detalhes de como a crise atual foi alcançada, relata sua visão antes das eleições, quantas vezes ela alertou Fernández e como ela avisou sobre uma possível derrota do governo diante de uma política econômica, segundo ela, equivocada.

Ela também denuncia as operações do porta-voz presidencial contra ela, esclarece que não pediu a renúncia do ministro da Economia, Martín Guzmán, e pede ao presidente que responda à voz expressa nas urnas.

Veja a nota na íntegra
Mais uma vez, dirijo-me aos meus compatriotas como já o fiz noutras ocasiões. Não é a primeira vez. Há quase um ano, em 26 de outubro de 2020, eu estava falando aos argentinos com o documento “27 de outubro. Dez anos sem ele e um ano após o triunfo eleitoral: sentimentos e certezas”.

Ali expôs reflexões sobre o funcionamento institucional, e o que considero ser o problema central da economia argentina e a necessidade de abordá-la a partir de um amplo acordo das diferentes forças políticas.

Hoje reli aquelas linhas de atualidade inusitada em que também mencionei que as decisões do Poder Executivo argentino são sempre tomadas pelo Presidente da Nação e nas quais dizia, sem eufemismos nem pressões de imprensa em off, que havia funcionários e funcionárias que não funcionavam.

Lembro-me também do ato ocorrido no Estádio Único de La Plata em 18 de dezembro de 2020, no qual participaram muitos colegas da Frente de Todos junto com o Presidente da Nação, quando afirmei textualmente: “... mas atenção, não quero que esse crescimento - o crescimento econômico do ano 2021 que o camarada que me precedeu no uso da palavra corretamente previu - fique com apenas três ou quatro vivos. Para isso, me parece que os salários e as pensões devem estar alinhados, obviamente, os preços, principalmente os da alimentação e das mensalidades ”. Na ocasião também apontei: “é por isso que digo a todos os que têm medo ou não são encorajados, por favor ... há outras ocupações além de ministro, ministra, legislador ou legisladora. Busquem outro emprego, mas precisamos de pessoas nas cadeiras para atuar como ministro, ministra, legislador ou legisladora ... eles devem defender definitivamente os interesses do povo”.

Como não sou mentirosa e muito menos hipócrita (nunca digo em público o que não faço em privado e vice-versa), devo referir que durante o ano de 2021 tive 19 reuniões de trabalho em Olivos [residência presidencial] com o Presidente da Nação. Vejo vocês lá e não na Casa Rosada [sede do Poder Executivo] por sugestão minha e com o intuito de evitar qualquer tipo de especulação e operação midiática de desgaste institucional.

Nas primeiras 18 reuniões, a última em 07/09/2021, sempre levantei para o Presidente o que para mim constituía uma situação social delicada e que resultava, entre outras coisas, em atrasos salariais, falta de controle de preços - especialmente nos alimentos e remédios - e falta de trabalho, sem ignorar, obviamente, o impacto das duas pandemias: a macrista primeiro e a de saúde 99 dias após a posse. Da mesma forma, sempre destaquei a falta de eficácia nas diferentes áreas do governo.

Também apontei que acreditava que estava sendo executada uma política de ajuste fiscal errada que estava impactando negativamente a atividade econômica e, portanto, a sociedade como um todo e que, sem dúvida, isso teria consequências eleitorais. Não disse uma vez ... cansei de dizê-lo ... e não só para o Presidente da Nação. A resposta sempre foi que não era assim, que estava errado e que, pelas pesquisas, íamos ganhar as eleições “muito bem”. Minha resposta, invariavelmente, foi "Não leio pesquisas ... Leio economia e política e tento ver a realidade". Uma realidade que me disse que em 2015 perdemos as eleições presidenciais no segundo turno e por uma pequena diferença, com o maior salário em dólares da América Latina - que era mais do que o dobro do salário atual -, com uma inflação que ficou abaixo da metade que a atual e com um candidato, Mauricio Macri, que disse que não ia tirar de ninguém nada do que já havia, mas que só ia mudar o que estava errado.

Fui, sou e serei peronista. É por isso que pensei que não poderíamos vencer. E disse isso não apenas para o presidente. Muitos companheiros e muitas companheiras ouviram meus temores.

No domingo, 12 de setembro deste ano, o peronismo sofreu uma derrota eleitoral em eleições legislativas sem precedentes. Enquanto escrevo estas linhas, tenho a televisão ligada, mas sem som, e leio um gráfico: "Alberto sabotado por Cristina". Não, não sou eu. Por mais que tentem esconder, é o resultado da eleição e da realidade. É ainda mais grave: na Província de Buenos Aires, termômetro indesculpável da temperatura social e econômica de nosso país, no domingo passado perdemos 440.172 dos votos obtidos pela Unidad Ciudadana em 2017 com nossa candidatura ao Senado Nacional. .. com o peronismo dividido, sem nenhum governo nacional ou provincial para apoiar e com o governo de Mauricio Macri e sua mesa judiciária perseguindo e prendendo ex-funcionários e donos de meios de comunicação de oposição a torto e a direito.

Lembro que, quando perdemos as eleições legislativas na Província de Buenos Aires em 2009, com Néstor como candidato a Deputado Nacional - depois do 125 [locaute agropecuário patronal na Argentina] e a crise global de 2008 -, que Alberto justamente considera o melhor presidente da democracia, na segunda-feira seguinte às eleições, não só renunciou ao Partido Justicialista, mas eu, como Presidente da Nação, pedi a renúncia de quem quer que fosse meu Chefe de Gabinete, entre outros. E atenção! ... Havíamos perdido na Província de Buenos Aires, mas vencemos em nível nacional. Nestor Kirchner deve ser lembrado na versão completa e não editada.

Porém, agora, no dia seguinte a tal catástrofe política, ouvia-se alguns funcionários e parecia que nada tinha acontecido no país, fingindo normalidade e, acima de tudo, agarrando-se às poltronas. Pensam seriamente que não é necessário, depois de tal derrota, apresentar publicamente as demissões e revelar as atitudes dos servidores e das servidoras para ajudar o Presidente na reorganização do seu governo?

Na terça-feira, dia 14, o meu último encontro com o Presidente da Nação realizou-se novamente em Olivos. 48 horas se passaram sem que ele se comunicasse comigo e parecia prudente ligar para ele e dizer-lhe que eu tinha que falar com ele. Deliberadamente, deixei passar 48 horas para ver se me convocava (devo dizer que das 19 reuniões, a maioria foi por minha iniciativa). Lá eu disse a ele que era necessário relançar seu governo e propus nomes como o governador Juan Manzur [governador da província de Tucumán e ex-ministro da Saúde de Kirchner] para chefe de gabinete. Sei que a minha proposta vai surpreender, é público e notório as divergências já superadas que tenho tido com este que foi meu Ministro da Saúde em 2009, quando tive que destituir quem era então minha Ministra da Saúde [Graciela Ocaña] devido ao fracasso na abordagem da pandemia da gripe influenza A (H1N1). Juan permaneceu no cargo até que renunciou para disputar a candidatura a Governador da Província de Tucumán em 2015, cargo que obteve e revalidou pelo voto popular não só por meio de sua reeleição, mas também na eleição do último domingo.

Embora na realidade ninguém deva se surpreender com minha proposta: em 18 de maio de 2019 propus Alberto Fernández a todos os argentinos como candidato a Presidente da Nação.

Por que estou contando isso? Porque não vou continuar a tolerar as operações de imprensa que se fazem contra mim a partir do ambiente presidencial através do porta-voz da Presidência [Juan Pablo Biondi]: Alberto Fernández queria que o Dr. Eduardo De Pedro [Ministro do Interior] fosse o seu Chefe de Gabinete e fui eu quem discordei. Mal podia agora promovê-lo a essa posição. Em relação à categoria de funcionários que não funcionam... o porta-voz presidencial escaparia dessa classificação. É um caso raro: um porta-voz presidencial cuja voz ninguém conhece. Ou tem alguma outra função que não conhecemos? Aquele que faz as operações em off, por exemplo? Verdadeiro mistério.

Pelo mesmo motivo, entrei em contato com o Ministro da Economia quando foi falsamente informado que na reunião que eu tive com o Presidente da Nação, tinha pedido a sua renúncia. As operações são permanentes e acabam apenas desgastando o governo. É incrível que eles não percebam. É uma pena tanta automutilação.

Confio sinceramente que, com a mesma força e convicção com que enfrentou a pandemia, o Presidente não apenas relançará seu governo, mas também se reunirá com seu Ministro da Economia para examinar os números do Orçamento. No ano passado, quando foi apresentado, ficou estabelecido que o déficit fiscal seria de 4,5% do PIB sem pandemia a partir de março de 2021 - situação que não se confirmou como é público e notório. Cada ponto do PIB hoje gira em torno de $ 420 bilhões. Em agosto deste ano, quatro meses para o final do ano e faltando poucos dias para as eleições, o déficit acumulado executado era de 2,1% do PIB. De acordo com a previsão do Orçamento, falta executar 2,4% do PIB... mais do que o dobro do que foi executado e faltando apenas quatro meses para terminar o ano... com uma pandemia e uma situação social muito delicada. Não estou propondo nada louco ou radical. Ao contrário, estou simplesmente coletando o que está acontecendo neste contexto global de pandemia em todo o mundo, desde os Estados Unidos, através da Europa e também em nossa região: o Estado mitigando as trágicas consequências da pandemia.

Fui presidente por dois mandatos consecutivos. Em 2008, tivemos que passar pela maior crise global desde a Grande Depressão do anos 1930. Nós suportamos ‘corridas cambiarias permanentes’ - com muito menos reservas no Banco Central do que atualmente - e o cerco dos Fundos Abutre. Sei que governar não é fácil e a Argentina ainda menos. Eu até sofri com um vice-presidente que foi declarado oponente de nosso governo. Homens e mulheres argentinos ficam tranquilos... isso nunca vai acontecer comigo.

Também estou convencido de que será impossível resolver os problemas deixados pelo macrismo de baixos salários, alta inflação, estonteante endividamento com credores privados e a volta do FMI com um empréstimo de 44 bilhões de dólares, etc, etc, etc, etc. , etc, etc, etc, etc, etc, etc, etc, etc, etc, etc, etc, etc, etc, etc ... votando no macrismo ou votando nas suas ideias. Quando tomei a decisão, e o fiz na primeira pessoa do singular, de propor Alberto Fernández como candidato a presidente de todos os argentinos, fiz com a convicção de que era o melhor para o meu país. Peço apenas ao Presidente que honre essa decisão ... mas acima de tudo, tomando também as suas palavras e convicções, o que é mais importante do que tudo: que honre a vontade do povo argentino.

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino