Bolivia  ●  Chile  ●  Evo Morales  ●  Islas Malvinas  ●  Mercosur  ●  Mercosur-UE  ●  Venezuela

Crise argentina tira 03 ponto do PIB brasileiro neste ano

Crise argentina tira 03 ponto do PIB brasileiro neste ano

Conjuntura: Tombo das exportações ao vizinho teve forte impacto na atividade

`Desde quando o Brasil precisou da Argentina para crescer?`, questionou o ministro da Economia, Paulo Guedes, durante um evento em São Paulo, em agosto. O efeito da forte recessão do país vizinho sobre o crescimento brasileiro é expressivo, como deixa claro um estudo do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

Em 2018, a crise argentina tirou 0,2 ponto percentual do PIB e, neste ano, deve ter impacto negativo de pelo menos 0,5 ponto. Para efeito de comparação, a economia brasileira cresce ao redor de l%desde o fim da recessão, que durou do segundo trimestre de 2014 ao quarto trimestre de 2016.

No estudo, as economistas Luana Miranda e Mayara Santiago calculam o reflexo da foxte queda das exportações para o vizinho sobre o valor adicionado da indústria de transformação e dos segmentos de transportes e comércio, que são em parte influenciados pela atividade manufatureira. Produtos industriais respondem por cerca de 90% das vendas do Brasil para a Argentina O trabalho será apresentado na tarde da próxima segunda-feira, em seminário de análise conjuntural promovido pelo Ibre/FGV, no Rio.

Em quantidade, segundo levantamento inédito feito pelas economistas, as vendas totais do Brasil para a Argentina caem desde o segundo trimestre do ano passado, com os piores momentos entre o quarto trimestre de 2018 (-44%) e o primeiro deste ano (-45%). Ainda assim, a Argentina é o quarto maior mercado para os produtos brasileiros, depois de China, União Européia (UE) e EUA.

Os automóveis são parte importante dessa pauta de exportação, mas não só. O mercado argentino é relevante também para os bens intermediários. O levantamento mostra que, do total exportado para a Argentina, 57,4% se encaixam nessa categoria, que compreende os insumos para compor a cadeia produtiva da indústria local.

`Dentro dos intermediários, chama atenção que 16% das peças para equipamentos de transporte vendidos pelo Brasil vão para o vizinho`, ressalta Luana. E, apesar da queda, 58% dos automóveis exportados pelo Brasil de janeiro a agosto deste ano forain para lá. Num exercício contrafactual, sem os efeitos da crise do vizinho o valor adicionado da indústria de transformação brasileira teria crescido 2,2% em 2018, ante o resultado oficial dei ,3%.

Para 2019, a projeção é de que o PIB da indústria cresceria 2,1%, ante o 0,2% estimado pelo Ibre. Pai a calcular o impacto no terceiro e quarto trimestres deste ano, as economistas projetaram a quantidade a ser exportada para a Argentina com base no cenário elaborado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) para a demanda interna do país.

O cálculo supõe uma desaceleração gradual da queda das exportações brasileiras para o país até chegara uma queda de 8% em dezembro. Num mesmo exercício contrafactual feito pelas economistas, livre do efeito Argentina, o valor adicionado do comércio teria crescido 2,7% em 2018, ante os 2,3% apurados pelo IBGE. O dos transportes teria se expandido 2,5%, ante 2,2%, e os impostos teriam aumentado 1,8%, ante 1,4%.

Nas projeções para 2019, o valor adicionado do comércio cresceria 2,9%, ante a previsão de 1,9%. Os transportes aumentariam 1,8%, ante previsão de 1 %, e os impostos subiriam2,3%,ante 1,3%. A conclusão é que a crise econômica argentina tirou 0,2 ponto do PIB de 2018, que cresceu 1,1%. Para 2019, o Ibre-FGV estima PIB de 1,1%, projeção acima da mediana

do mercado, de 0,87%. Assim, o retesultado, sem a crise do vizinho, poderia chegara 1,6%. Segundo Luana, o impacto neste ano pode ser ainda mais negativo, em um cenário de agravamento da crise política argentina, diante da proximidade das eleições presidenciais, em outubro. `Quando o FMI dido vulgo u as estimativas de demanda, o

quadro eleitoral na Argentina ainda de não indicava vitória da oposição, algo que deteriorou as perspectivas macroeconômicas locais`. Segundo o Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Ind ustrial (Iedi), o revés exportador da indústria brasileira tem sido um componente da recente etapa recessiva pela qual o setor tem passado.

Na ocasião da divulgação do dado da produção industrial de julho, que caiu 0,3% ante junho, relatório da entidade chamou atenção para a queda de 4,4% no volume das exportações brasileiras de manufatura no ano, um desempenho que no mesmo período em 2018 tinha sido de alta de 2,9%. Rafael Cagnin, economista do Iedi, afirma que paite disso decone do aprofundamento da crise na Argentina, que para ele não tem expectativa de melhora.

 

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino