Conselheiro de Segurança Nacional de Biden visitará o Brasil na semana que vem

Conselheiro de Segurança Nacional de Biden visitará o Brasil na semana que vem

11:08 - Leilão do 5G, Cuba e Brasil no Conselho de Segurança da ONU estão entre os assuntos a serem tratados pelo enviado do presidente americano

O conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos, Jake Sullivan, desembarcará em Brasília na próxima semana para uma agenda de compromissos a ser cumprida na quinta-feira, 5 de agosto. A expectativa de fontes do governo brasileiro ouvidas pelo GLOBO é que o leilão da tecnologia móvel 5G seja um dos principais temas a serem abordados pelo enviado do presidente americano Joe Biden.

Washington quer o banimento da gigante chinesa Huawei da lista de fornecedores de equipamentos para a rede 5G. As pressões começaram no governo do ex-presidente Donald Trump e permanecem com Biden, apesar de as regras já anunciadas pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) permitirem a participação da empresa de telecomunicações chinesa no leilão para a instalação da rede.

No início de julho, o assunto foi tratado durante uma visita do diretor da CIA, William Burns, ao Brasil. Burns — diplomata veterano que, em 2015, foi um dos negociadores do acordo nuclear entre Irã, EUA e outras grandes potências — se reuniu com autoridades brasileiras, incluindo o presidente Jair Bolsonaro.

A participação do Brasil como membro rotativo do Conselho de Segurança das Nações Unidas, com um mandato de dois anos que começa a ser cumprido em 1º de janeiro de 2022, deverá fazer parte da agenda de Sullivan em Brasília.

A presença dos EUA no mundo com a nova política externa de Biden, as relações bilaterais, o aquecimento global e a conjuntura política no Hemisfério, com destaque para Cuba e Venezuela, também serão abordados, afirmou uma fonte do governo brasileiro.

Os EUA já demonstraram que estão dispostos a endurecer ainda mais com Cuba e anunciaram sanções a funcionários cubanos que acusam de violar os direitos humanos durante os protestos recentes na ilha caribenha. Havana culpa o embargo econômico americano pela insatisfação geral naquele país, cuja economia, dependente do turismo, foi fortemente afetada pela pandemia da Covid-19.

No início desta semana, o Brasil foi um dos 20 países que aderiram a um comunicado lançado pelo secretário de Estado americano, Anthony Blinken, condenando a repressão a manifestantes em Cuba. O documento, no entanto, não teve o endosso de vários países latino-americanos, incluindo Argentina, Chile, Peru e México. No mesmo dia, o governo mexicano pediu o fim do embargo dos EUA à ilha.

No caso da Venezuela, o governo de Nicolás Maduro não mantém relações com os Estados Unidos, a Colômbia e o Brasil desde que esses países, juntamente com outros atores internacionais, decidiram reconhecer o dirigente opositor Juan Guaidó como "presidente interino", ao considerarem fraudulenta a reeleição de Maduro em 2018.

No entanto, os EUA, assim como o Brasil, acompanham a mais recente tentativa de negociação entre Maduro e os opositores, que deverá ocorrer no México em agosto, com mediação da Noruega.

A visita ao Brasil de um membro do primeiro escalão da equipe de Biden mostra que há disposição de Washington para uma reaproximação com o governo do presidente Jair Bolsonaro. As relações de Brasília com Washington foram abaladas logo após a eleição de Biden, no final do ano passado. Bolsonaro apoiou Trump publicamente, várias vezes, quando o então presidente dos EUA alegava falsamente ter sido vítima de fraude eleitoral.

Sullivan deve se reunir com o chanceler Carlos França e o ministro da Defesa, Braga Netto, segundo informações extraoficiais. Também está prevista uma audiência do conselheiro de Segurança Nacional dos EUA com Jair Bolsonaro.

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino