Com dólar alto, produto brasileiro rende mais no exterior, e consumidor vai pagar a conta

Com dólar alto, produto brasileiro rende mais no exterior, e consumidor vai pagar a conta

Números vindos do campo são de produção recorde, mas os desacertos da economia e na política geram dólar elevado

Após um 2020 com preços recordes no campo e alta inflacionária nos supermercados, o cenário para 2021 não deverá ser muito diferente.

Os números vindos do campo são de produção recorde, mas os desacertos da economia e na política geram um dólar elevado, o que favorece as exportações. Em muitos casos, os ganhos com as vendas externas são bem maiores do que os com as internas.

A pressão de demanda internacional ocorrida no ano passado se mantém, mas há um componente novo: a alta externa das commodities. Os preços atuais voltaram a patamares elevados, e as negociações no mercado futuro não apontam recuos substanciais.

O preço dos alimentos neste ano poderá ter um efeito ainda mais dramático no bolso do consumidor, principalmente para os de menor renda.

A taxa de desemprego está em 14%, e a assistência emergencial, quando vier, será em valores menores e com tempo de duração mais curto. A renda do consumidor vai encurtar ainda mais.

Um dos exemplos dessa continuação das saídas de alimentos do país é a soja, o carro-chefe da agricultura brasileira. A Bolsa de Chicago está negociando o produto a US$ 14 por bushel (27,2 quilos), um valor bem acima da média histórica.

Brasil e Estados Unidos deverão ter safra recorde neste ano, mas o contrato de negociação de novembro, quando a soja norte-americana já estará no mercado, se mantém em US$ 12,4 por bushel.

Mesmo com safras recordes nos dois países, o volume será restrito diante das importações de 100 milhões de toneladas pela China. Além disso, os Estados Unidos têm um dos menores estoques da oleaginosa na história.

A alta da soja encarece o óleo usado na cozinha pelo consumidor e eleva ainda mais o valor do farelo, gerando custos na produção de proteínas.

Outro componente de custos para a ração, o milho, também não tem espaço para intensas quedas em Chicago. Do lado do Brasil, o dólar alto torna o cereal mais competitivo e atraente no mercado internacional, facilitando exportações.

Entre as proteínas, o boi é o que tem os preços mais aquecidos no momento. Mesmo com demanda menor tanto internamente como externamente neste primeiro trimestre, os preços não cedem e superam R$ 310 por arroba. A menor oferta de animais sustenta esses valores.

O consumidor interno vai disputar até o açúcar com o do mercado externo. O preço no país, mesmo em patamar recorde, dá uma remuneração menor às usinas do que o externo.

Atraso na safra brasileira, problemas climáticos em concorrentes do Brasil, escassez de produto a curto prazo e estimativa de déficit mundial vão manter os preços atrativos no exterior.

O dólar, que deverá se manter acima dos R$ 5 neste ano, segundo o mercado financeiro, freou as negociações internas do arroz no Sul. Apesar do avanço de 20% da safra no Rio Grande do Sul, as vendas estão abaixo da média histórica.

O cereal está sendo negociado a R$ 86 a saca, bem abaixo dos preços de até R$ 110 registrados no segundo semestre do ano passado, mas 74% acima dos valores de março de 2020, segundo o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada).

Os consumidores não verão a volta dos preços do arroz para os patamares tradicionais. A exportação vai dar suporte ao cereal nas gôndolas dos supermercados.

A pressão no bolso do consumidor virá até de produtos normalmente com preços comportados, como é o café.

A saca já é negociada a R$ 740, sustentada pela queda de produção no Brasil, no Vietnã e na América Central. No caso do Brasil, além de problemas climáticos, a safra sofre o efeito da bienalidade. Após uma colheita de 63 milhões de sacas no ano passado, o país colherá um volume próximo de 50 milhões em 2021, segundo a Conab.

Além de favorecer as exportações, o dólar traz custos que são incorporados ao valor do alimento adquirido pelo consumidor. Esses custos vão das compras de trigo ao transporte interno das commodities.

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino