Coronavirus  ●  Estados Unidos  ●  Islas Malvinas  ●  Mercosur  ●  Mercosur-UE  ●  Venezuela

Com Biden ou Trump, comércio do Brasil com EUA terá novos desafios

Com Biden ou Trump, comércio do Brasil com EUA terá novos desafios

11:20 - Seja qual for o resultado das eleições americanas, o comércio exterior brasileiro terá novos desafios. E tão importante quanto a competitividade da nossa soja, a qualidade de nossos aviões e a pureza de nossos minérios, será a postura do governo brasileiro neste novo cenário.

Não é segredo que Jair Bolsonaro torce pela reeleição de Donald Trump. Mas nem mesmo a química entre os dois presidentes pode salvar o Brasil de uma postura ainda mais protecionista do americano, caso seja reconduzido. Segundos mandatos, sem a miragem da reeleição adiante, permitem políticas mais “puras” dos presidentes. Será mais “America First” do que nunca. Trump deve exacerbar seu nacionalismo, afetando inclusive aliados, como já ocorreu com o Brasil, em temas como aço. A pressão para que Brasília se oponha a Pequim também poderá gerar constrangimentos comerciais.

Esta eleição americana é a mais importante em décadas?Colunistas e especialistas respondem

Se Biden vencer, o Brasil perde a “relação presidencial especial”. Mas ganha um defensor do multilateralismo, que pode desatar amarras do comércio global. O que é bom para todos, principalmente no longo prazo. Disputas ideológicas devem ser relegadas a um segundo plano, embora a questão ambiental deva ser turbinada, gerando uma tarefa extra para o Brasil e seus exportadores: terão de provar que evitam as queimadas e o desmatamento.

Um acordo comercial entre Brasil e EUA não deve sair, esteja quem estiver na Casa Branca. Com Biden, o tema ambiental falará mais forte e a prioridade será a Ásia e a Europa. Com Trump, o foco será opor-se à China, e os acordos fechados pelo atual presidente não são muito generosos com terceiros países. Que o digam Canadá e México.

Com Biden, aumenta a possibilidade de uma agenda mais propositiva para barrar o avanço chinês na América Latina. Não com ameaças, mas com investimentos e oportunidades. O democrata daria ao Brasil a chance, mesmo com complexidades, de focar mais nas trocas entre os países. Mas, seja quem for eleito presidente dos EUA, faz falta uma estratégia comercial clara brasileira.

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino