Brasil ignora México e deixa grupo de países latino-americanos

Brasil ignora México e deixa grupo de países latino-americanos

Governo de López Obrador havia pedido para país voltar a colaborar com a Celac, mas Bolsonaro suspende participação Ricardo Delia Colona brasília O governo Jair Bolsonaro (sem partido) ignorou apelos do México e susp endeu a pa rticip ação do pa ísna Celac (Comunidade de Estados Lat ino America nos e Caribeilhos).

Em 18 de dezembro, o chancelermexicano, Marcelo Ebrard, telefonou p ara o íninist ro Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e pediu para que o Brasil vol tasse a participar das atividades da entidade. O Itamaraty já havia deixado de colaborar coma Celac no ano passado, quando a presidência era exercida pela Bolívia, então com Evo Morales no comando.

O governo [air Bolsonaro, no entanto, decidiu não atender os pedidos mexicanos por considerar a Celac uma articulação com poucos efeitos práticos. Outro fator que pesouna decisãofoi o fato de a delegação venezuelana no fórum ser composta por representantes do ditador Ni colãs Maduro.

Além de reconhecer o opositor Juan Guaidó como presidente encarregado do país, o Brasil é no continente u m d os países que têm postura mais agressiva contra o chavismo. A participação de Cuba na Celac também é apontada como uma das razões da decisão do governo de abandonar a comunidade. Procurado, o ministério das Relações Exteriores confir mou que o país suspendeu nesta semana sua participação na Celac.

`Em resposta ao convite do México, o governo brasileiro comunicou antecipadamente à chancelaria mexicana que o Brasil não participaria dos eventos relacionados â instalação da nova presidência pro tempore da Celac`, informou a chancelaria brasileira.

`Foi informado que o Brasil não considera estarem dadas as condições para a atuação da Celac no atual contexto de crise regional. Foi dado ciência, igualmente, que qualquer documento, agenda ou que proposta de trabalho q ue vi esse a ser adotado durante de

a reunião ministerial não se no reaplica ao Brasil` Ni Diplomatas que acompanham o tema disseram reseropova damente que a decisão do presi- Brasil de suspender sua participação na Celac não deve d os ser entendida como uma crítica ao México. mais

O boicote brasileiro, no enna tanto, gerou frus tração no governo de Andrés Manuel Lódepez Obrador, que neste ano vai tentar aumentar a relevância do órgão. das Outros países concordam com as críticas de que a Celac é um fórum que estãperdendo importância, mas en viaram representantes à Cidade do México para evitar uma de s feita à s egu lida maior economiadaAmérica Latina. Interlocutores ouvidospela Folha avaliara ri qu e, com ausência do Brasil, a tendência é que a Celac tenha sua atuação ainda mais limitada em -ioio, ao contrário das expectativas de L ópez Obrador.

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino