Brasil e México iniciam negociações para um acordo de livre-comércio

Brasil e México iniciam negociações para um acordo de livre-comércio

Governo quer ampliar exportações agrícolas para a segunda maior economia da América Latina

Brasil e México iniciaram negociações para um acordo de livrecomércio, numa tentativa de aprofundar os laços entre as duas maiores economias da AméricaLatinanum momento em q ue tensões come rciais ameaça o crescimento globaL

O secretário esp eeial de Comércío Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia, Marcos Troyjo, disse nesta segunda- feira {9) que o Brasil iniciou formalmente as negociações com o México, que recentemente ratifi cou um novo pacto comercial com EUA e Canadá em substituição ao Tratado Norte- Americano de Livre Comércio (Nafta, na sigla em inglês).

O secretário afirmou que o México tinha tradicionalmente foco no comércio comseus parceiros de Nafta, mas que deseja diversificar. Ele acredita que o Brasil poderá exportar mais produtos agrícolas para o México, economia número 1 da América Latina. `Tivemos conversas para ver de que forma podemos avançarem direção à liberalização, mas ainda não decidimos qual caminho tomar`, disse a pasta em um comunicado. `Mas estamos trabalhando nisso` Já vigora hojeumacordo de livre- comérciodec arros e autopeças entre Brasil e México. Em março, o governo aceitou a retirada de cotas entre os doispaíses.

O comércio geral entre os países figura abaixo dos volumes desejados, disse Troyjo. Agora, porém, o acordo entre México, EUAe Canadá mudou o cenário, disse, acrescentando que o Brasil tem um in teresse mais imediato em aumentar avenda decommodities agrícolas para o pais. OMéxicoéo oitavo principal destino das exportações brasileiras.

No acumulado do ano até agosto, US$ 3,18bilhões foram destinados ao pais. A nação da América do Norte, por outro lado, vendeu US$ 2,87 bilhões ao Brasil no mesmo período 7` lugar no ranking. As negociações com o México representam o inais recente capítulo nos esforços do Brasil para abrir sua economia. O Brasil também jáinicioucon versas por um acordo comercial com os EUA e acredita que um acordo entre a UE e Merco sul será ratificado.

País tenta destravar pacto automotivo com o Paraguai

Os governos do Bra sile do Paraguai retomaram as conversas para tentar destravar um acordo automotivo entre ambos países.

O tema foi tratado nesta segunda-feira^) emuma reunião do chancder Ernesto Araújo com o ministro das Relações Exteriores do país vizinho, Antonío Rivas Palacio. Novas convers as es tão agendadas para esta terça-feira (10), quando a ministra da indústria e do Comércio do país vizinho, Líz Cramer Campos, deve sereunir com o ministro Paulo Guedes (Economia). Embora Brasil e Paraguai sejam membros do Mercosul, o setor automotivo ficou de fo ra das regras comerciais do bloco.

Para contornar isso, foram estabelec ido s tratad os bilaterais para o segmento entre os governos do Brasil, da Argentina e do Uruguai mas não há entendimento do tipo entre os as administraçõesbra sileira e paraguaia. Não foram divulgados detalhes sobre os itens do acordo que estão em negociação, mas um inte rlocutor dis se que tanto o Brasil quanto o Paraguai já trocaram propostas sobre o assunto. Para os paraguaios, o acordo interessa principalmente para impulsionar a venda de autopeças para serem mon tadasno mercado brasileiro.

Há anos um polo de autopeças se estabeleceu no país vizinho, voltado principalmente para a exportação desses itens para o mercado brasileiro. Pelo lado do governo Jair Bolsonaro (PSL), interessa a liberalização do comércio para facilitar a entrada de carros fabricados no Brasil no mercado paraguaio.

Ricardo Delia Colona Vaivém das Commodities Excepcionalmente hoje a coluna não é publicada.

 

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino