Brasil e Argentina derrubam barreiras comerciais: ideologia e negócios não se misturam, diz analista

Brasil e Argentina derrubam barreiras comerciais: ideologia e negócios não se misturam, diz analista

A derrubada de 31 barreiras comerciais entre Brasil e Argentina é uma prova de que, cada vez mais, governos nacionais vão passar por cima de suas ideologias em prol de ampliar as negociações.

Esta é a opinião de José Luiz Tejon, doutor em educação, especialista em agronegócio e coordenador de MBA dos cursos de Agrobusiness da FECAP (Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado). Este é um movimento que acontece em escala global. No futuro, as economias nacionais dificilmente deixarão de fazer negócio com países com os quais não compartilham a mesma ideologia, segundo Tejon.

"As relações multilaterais vão formando um conjunto dinâmico de um mundo novo e vão superando, passando por cima de divergências e outras coisas antigas, como usar o comércio como elemento de guerra, como elemento militar. São coisas do passado que não vão mais vingar no futuro" analisa Tejon, em entrevista à Sputnik Brasil nesta quarta-feira (10).

A derrubada das barreiras comerciais foi assinada nesta terça-feira (9) pelos ministros da Agricultura de Brasil (Tereza Cristina) e Argentina (Luis Basterra). Os entraves impactavam o comércio de aproximadamente 50 produtos, como ovos, miúdos de bovino congelados e sementes de chia. Quatro mercadorias ainda devem ter as barreiras derrubadas nos próximos meses.
"O acordo diz respeito a insumos, fundamentalmente, e vai atuar de maneira muito positiva no custo e na disponibilidade de insumos que geram seus derivados agroindustriais. É um início de um acordo de base", avalia Tejon.
O acordo entre os dois países acontece apesar da divergência política entre os governos de Brasil e Argentina. Jair Bolsonaro chegou a declarar torcida para a reeleição de Maurício Macri, que perdeu a disputa para Alberto Fernández. O atual presidente da Argentina, por sua vez, não esconde seu apreço pelo ex-presidente Lula – inclusive, celebrou a anulação das condenações do petista.

Para Tejon, esta atitude do governo Bolsonaro mostra "o prenúncio do que pode ser um belo movimento brasileiro" de deixar ideologias à parte na hora de fechar acordos comerciais. Segundo o analista, esta é uma estratégia "inevitável": caso contrário, ele destaca, o Brasil não teria a China como maior cliente comercial.

Por isso, Tejon avalia o acordo alcançado por Tereza Cristina como "o início de uma inteligência relacional e comercial de cooperação" do governo Bolsonaro. O especialista prevê, inclusive, o surgimento de mais integrações como esta no Mercosul.

"Nos demais países do Mercosul sem dúvida alguma, independente de afetos e desafetos entre seus presidentes, o que nós vamos ver é cada vez mais acordos comerciais que passam por cima de facções ideológicas, porque as facções ideológicas já morreram", afirma Tejon.
Os presidentes do Brasil, Jair Bolsonaro, e da Argentina, Alberto Fernández, terão um encontro bilateral em Buenos Aires no dia 26 de março. Em 30 de novembro, os líderes tiveram sua primeira reunião bilateral, realizada por videoconferência.

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino