Bolsonaro nega que tenha interferido na PF: 'Nunca pedi que blindasse a mim ou alguém da minha família'

Bolsonaro nega que tenha interferido na PF: 'Nunca pedi que blindasse a mim ou alguém da minha família'

17:30 - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) negou nesta sexta-feira (24/4) que tenha tentado interferir na Polícia Federal (PF) como disse o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, ao anunciar sua demissão do governo.

"Nunca pedi para ele (Moro) que a PF me blindasse onde quer que fosse", disse Bolsonaro. "Nunca pedi que blindasse alguém da minha família."

O presidente afirmou que pediu informações sobre as atividades da PF a Moro para "poder tomar decisões".

"Nunca pedi a ele o andamento de qualquer processo até porque com ele a inteligência perdeu espaço na Justiça."

Bolsonaro convocou a coletiva afirmando que "restabeleceria a verdade" sobre a exoneração do diretor-geral da Polícia Federal (PF), Maurício Valeixo, e as declarações feitas por Moro no início desta tarde, ao anunciar que estava deixando o governo.

Moro decidiu sair após uma queda de braço com o presidente em torno do comando da PF e acusou Bolsonaro de querer interferir na corporação.

Bolsonaro começou seu pronunciamento dizendo que "uma coisa é você admirar uma pessoa, a outra é trabalhar com ela, conviver com ela"."Eu disse a alguns parlamentares: hoje vocês conhecerão aquela pessoa que tem um compromisso consigo próprio, com o seu ego, e não com o Brasil. (...) Hoje essa pessoa vai buscar uma maneira de botar uma cunha entre eu e o povo brasileiro. Isso aconteceu há poucas horas."

O presidente disse ter ficado surpreso com as acusações feitas por Moro e afirmou que são "infundadas" e que as "lamenta". "Para muitos, isso vai deslustrar sua tão defendida biografia."

Bolsonaro disse ter conversado na última quinta-feira com Moro sobre a exoneração de Valeixo: "Eu disse: tá na hora de por um ponto final nisso. Ele está cansado, está fazendo o que pode no seu trabalho".

Bolsonaro afirmou que Moro relutou e respondeu que teria de indicar o substituto. "Porque tem que ser o dele e não possivelmente o meu?", disse o presidente. "E o lembrei que a indicação é minha. A prerrogativa é minha. Quero um delegado, que eu sinta que eu possa interagir com ele. Porque não? Interajo com os homens da inteligência das Forças Armadas, interajo com a Abin."

O que aconteceu?
A exoneração de Valeixo foi publicada no Diário Oficial desta sexta. Ele havia sido escolhido por Moro para o cargo e era considerado o braço-direito do agora ex-ministro. "Tenho que preservar minha biografia", disse o ministro em pronunciamento.

A troca na PF, segundo ele, mostrou que "o presidente não me quer no cargo". Em seu discurso, Moro disse que só ficou sabendo da exoneração pelo Diário Oficial e criticou a decisão de trocar Valeixo.

Ele afirmou ter dito ao presidente que tal movimento só seria aceitável se houvesse um "fraco desempenho" por parte do diretor, mas que isso não ocorreu.

Moro negou que a saída tenha ocorrido "a pedido" de Valeixo, mas que o diretor-geral foi comunicado por telefone. O ministro acrescentou que também haveria planos de trocar superintendentes nos Estados, além de Valeixo.

"Ontem, conversei com o presidente e houve essa insistência do presidente. Falei ao presidente que isso seria uma interferência política e ele disse que seria mesmo", afirmou.

Moro, então, disse ter tentando dissuadir o presidente ou convencê-lo a substituir Valeixo por alguém com perfil "absolutamente técnico" e indicado por ele e pela própria PF. "Mas não obtive resposta."

O ministro disse que o presidente tem alguns nomes em mente, entre eles, um "delegado que passou mais tempo no Congresso Nacional" do que efetivamente trabalhando na PF.

"O presidente me disse, mais de uma vez, que ele queria ter uma pessoa do contato dele que ele pudesse ligar, que ele pudesse colher informações, colher relatórios de inteligência", disse Moro, que comentou em seguida que não é apropriado que o presidente tenha acesso direto a esse tipo de informação.

"Estaria claro que haveria uma interferência política na Polícia Federal, que gera um abalo à credibilidade minha, mas também do governo. Ia gerar uma desorganização na Polícia Federal. Isso (interferência política sobre a PF) não aconteceu durante a Lava Jato, apesar de todos os problemas de corrupção dos governos anteriores."

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino