BC reduz projeção do PIB para 2% e diz que Brumadinho afeta economia

BC reduz projeção do PIB para 2% e diz que Brumadinho afeta economia

Ipea também diminui estimativa para o mesmo patamar e diz que, sem reforma, recessão voltará Brasília

 Brasília
OBancoCentral piorou a projeção de crescimento da economia em 2019, e itando fraqueza na atividade no fim do ano passado, conseqüências da tragédia de Brumadinho (MG) e da menor perspectiva para a safra agrícola.

Em seu Relatório Trimestral de Inflação, publicado nesta quinta-feira (28), o BC apontou q ue o rítm o ma is fra co de recuperação também teve um papel nassuas reestimativas, mas menor na comparação com os demais fatores.

A autoridade monetária agora passou a ver um crescimento de 2% do PIB neste ano, ante 2,4% na previsão do relatório anterior. `Essa revisão está associada ã redução de carregamento estatístico de 2018 para 2019, resultante docreseimento no quarto trimestre de 2018 em magnitude menor do que esperada; aos desdobramentos da tragédia em Brumadinho sobre a produção da indústria extrativa minerai; às reduções em prognósticos para a safra agrícola; e, residualmente, à moderação no ritmo de recuperação`, disse o BC.

Naprática, a instituição alinhou sua estimativa à leitura do mercado 2%, segundo a mais recente pesquisa Focus, numa posição um pouco mais pessimista que a do Ministério da Economia, que prevê expansão de 2,2% do PIB neste ano. Nas contas do BC, a produção agropecuária deve crescer apenas 1% neste ano, metade do que via no relatório de dezembro, citando como destaque amenorprodução esperada para soja, item com o maior peso da agricultura, devido a estiagem ocorrida em importantes regiões produtoras.

O BC também reduziu pa ra 1,8% a alta esperada pai a a indústria em 2019, ante 2,8% anteriormente, por recuo nas expectativas de crescimento para a indústria de transformação e extrativa. Somente para a indústria extrativa, a projeção do BC caiu de uma expansão de 7,6% para 3,2%, pormenorprodução esperadaapósorompímento dabarragem de mineração da Vale em Brumadinho (MG).

Na véspera, a Vale divulgou que realizou baixa con tábil de R$ 480 milhões pela mina de Córrego do Feijão, relacionada à estrutura que colapsou em Brumadinho, e também por ativos ligados a barragens com método de construção a montante. Nesta quinta, o Grupo de Conjunturadolpea {Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) também reduziu sua projeção de crescimento da economia neste ano, de 2,7% para 2%. Para 2020, o instituto projeta crescimento de3%.

O eenãrio considera a aprovação da reforma da Previdência. Sem ela, diz o Ipea, o paíspode voltar ter recessão no médio prazo, em condições piores do que o último ciclo recessivo, já que o desemprego está alto, e a situação fiscal dos estados, pior. Reuters, com Nicola Pamplana, do Rio

CMN amplia limites nas operações de micro crédito Brasília O CMN (Conselho Monetário Nacional) flexibilizou normas e aumentou os limites nas operações de micro crédito.

Pelas regras em vigor, os bancos devem direcionar 2% dos depósitos à vista (recurso sem conta-corrente) aoperações de micro crédito, que têm taxas de juros mais baixa s e tabe ladas pelo governo. O custo do financiamento do microcrédito é de 3% ao mês mais tarifa de abertura de crédito de 4% do valor da operação. Em fevereúo, havia Ií$ 5,7 bilhões emprestados em mi crocrédito.

Resolução aprovada nesta quinta- feira pelo CMN aumenta os limites de q uem pode tomar esse tipo de empréstimo. Empreendedores comrenda ou reeeitabruta de até R$ 200 mil por ano podem recorrer ao microcrédito o limite anterior era de H$ 120 mil.

O máximo que podem pedir emprestado também subiu, de R$ 15 mil para R$ 21 mil, Para ter acesso a essa linha de crédito, o empreendedor tem que ter um endividamento totalno sistema financeiro {descontado o financiamento imobiliário) de até R$ 80 mil.

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino