Balança comercial brasileira tem superávit de US$ 7,664 bi em agosto, recorde para o mês

Balança comercial brasileira tem superávit de US$ 7,664 bi em agosto, recorde para o mês

O superávit comercial do acumulado do ano até agosto, de US$ 52,033 bilhões, já é maior que o registrado em todo o ano de 2020

A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 7,664 bilhões em agosto, aumento de 25,7% em relação ao mesmo período do ano anterior, pela média diária, segundo números divulgados nesta quarta-feira (1º) pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia. O valor é recorde para meses de agosto, segundo a Secex.

Nos primeiros oito meses do ano, acumulou um saldo de US$ 52,033 bilhões, aumento de 45,7% sobre o mesmo período de 2020 e o maior da série histórica para o período. O recorde anterior era de 2017.

O subsecretário de Inteligência e Estatísticas de Comércio Exterior, Herlon Brandão, destacou que o superávit comercial do acumulado do ano até agosto já é maior que o registrado em todo o ano de 2020, quando o saldo comercial foi positivo em US$ 50,4 bilhões.

As exportações totalizaram US$ 27,211 bilhões no mês passado — o maior valor para o período. Pela média diária, houve aumento de 49,2% sobre o desempenho do mesmo mês de 2020. Já as importações alcançaram US$ 19,547 bilhões e tiveram alta, também pela média diária, de 61,1% sobre agosto do ano passado — maior resultado desde 2014 para o período.

No acumulado de 2021, as exportações somaram US$ 188,859 bilhões, alta de 37,3%, pela média diária, em relação ao mesmo período de 2020. Já as importações ficaram em US$ 136,826 bilhões, aumento de 34,4% na mesma base de comparação.

Segundo ainda Brandão, no mês passado, houve aumento nas quantidades exportadas (8,7%), mas principalmente nos preços (41,7%). Já no caso das importações, há crescimento principalmente das quantidades (39,3%). O índice de preços subiu 18,9%.

Por setor
Em agosto, as exportações do setor de agropecuária cresceram 19,38%, pela média diária, em relação ao mesmo mês do ano anterior. No caso da indústria extrativa, houve alta de 113,30% e da indústria de transformação, de 32,90%.

Já pelo lado das importações, houve avanço de 26,73% nas compras da agropecuária, de 262,38% na indústria extrativa e de 57,10% na indústria de transformação.

Destinos
No período, as exportações brasileiras para China, Hong Kong e Macau, principais destinos dos produtos brasileiros, subiram 41,32%, pela média diária, em relação ao mesmo mês do ano anterior. As vendas totais para a Ásia avançaram 45,13%.

Na mesma base de comparação, as vendas para a América do Norte subiram 52%, com alta de 57,28% para os Estados Unidos. Já as exportações para a América do Sul subiram 81,39%, com avanço de 47,73% nos embarques para a Argentina. As vendas para a Europa tiveram alta de 51,82%.

Nos primeiros oito meses do ano, as vendas para a China avançaram 34,60% e, para toda a Ásia, 36,58%. As exportações para a América do Norte avançaram 39,72%, para a América do Sul, 53,78%, e para a Europa, 31,16%.

Projeções
Em sua projeção mais recente, a secretaria estima que a balança comercial registre, em 2021, um superávit de US$ 105,3 bilhões, resultado de US$ 307,5 bilhões em exportações e US$ 202,2 bilhões em importações. A corrente de comércio ficaria em US$ 509,7 bilhões.

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino