Autoridades judaicas pedem ‘esclarecimentos’ de fala do Papa

Autoridades judaicas pedem ‘esclarecimentos’ de fala do Papa

16:35 - Autoridades judaicas de Israel pediram esclarecimentos ao papa Francisco por conta de algumas afirmações feitas por ele durante a liturgia de uma missa realizada em 11 de agosto, informa o site católico “Il Sismografo” nesta quarta-feira (25).

Segundo o portal, uma carta chegou ao Vaticano “nos últimos dias” para o cardeal Kurk Koch, presidente do Conselho para a Unidade dos Cristãos e também da Comissão da Relação Religiosa com o Judaísmo. O documento foi assinado pelo rabino Rasson Arousi, presidente da Comissão do Grão-Rabinato de Israel para o Diálogo.

Os líderes judeus se disseram “preocupados” com a fala de Francisco ao citar a leitura da Carta de São Pedro aos Gálatas, onde o líder católico deu a entender que “a lei judaica está obsoleta”.

Na leitura, Jorge Mario Bergoglio fez uma reflexão sobre a Torá no Novo Testamento e disse que “o apóstolo explica aos Gálatas que, na realidade, a Aliança com Deus e a Lei de Moisés não são ligadas de maneira indissolúvel”.

“A Lei não está na base da Aliança porque surgiu sucessivamente e era necessária e justa, mas antes tinha a promessa, a Aliança”, disse Francisco, explicando que “São Paulo não era contrário à Lei de Moisés porque a respeitava e, mais de uma vez, defendeu sua origem divina”.

“A Lei, porém, não dá a vida, não oferece o cumprimento da promessa porque não estava na condição de poder realizá-la. A Lei é um caminho que te leva adiante para o encontro”, acrescentou o Papa.

Para as autoridades que assinaram a carta, a fala do líder católico mostra que a fé cristã “não é apenas uma superação da Torá, mas afirma que essa última não dá mais a vida, o que implica que a prática religiosa dos judeus na era atual está obsoleta”.

Para Arousi, o comentário é “parte integrante” de um “ensinamento desdenhoso contra os judeus e contra o judaísmo, coisas que pensávamos estar completamente repudiadas pela Igreja”. O rabino ainda pede que o cardeal Koch “transmita sua angústia ao papa Francisco” e, ao mesmo tempo, peça um esclarecimento para “assegurar que qualquer conclusão depreciativa seja claramente repudiada”. (ANSA).

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino