Atividade econômica da Argentina cai 2% em maio, na comparação mensal

Atividade econômica da Argentina cai 2% em maio, na comparação mensal

Este é o segundo mês consecutivo de queda do indicador, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística e Censos (Indec); em relação a maio de 2020, o Emae subiu 13,6%

O índice que mede a atividade econômica na Argentina caiu 2% em maio, na comparação com o mês anterior, informou nesta quarta-feira (21) o Instituto Nacional de Estatística e Censos (Indec).

Esta é a segunda queda consecutiva mensal do indicador. Em abril, o Índice Mensal de Atividade Econômica (Emae) já havia recuado 1,2% em relação a março.

A nova queda foi provocada pelas restrições impostas pelo governo para conter uma segunda onda de covid-19 que atingiu a Argentina. No dia 20 de maio, o presidente do país, Alberto Fernández, decretou um “lockdown” de nove dias em Buenos Aires e outras regiões.

Em relação a maio de 2020, o Emae subiu 13,6%, um resultado que pode ser explicado pela base de comparação ruim. Neste mesmo período do ano passado, a economia da Argentina foi duramente atingida pelo primeiro confinamento decretado por Fernández.

Acumulado em 2021
Apesar da desaceleração recente causada pelas novas restrições, o Indec destacou que, nos cinco primeiros meses do ano, o Emae acumula uma alta de 9,5% em relação ao mesmo período de 2020.

Quase todos os 16 setores que compõem o índice registraram altas interanuais, segundo o Indec. O único que apresentou queda foi o de Agricultura, Pecuária, Caça e Silvicultura, que recuou 4,3% em relação a maio de 2020.

O Ministério da Economia prevê que o Produto Interno Bruto (PIB) da Argentina crescerá 7% neste ano. Analistas são menos otimistas e estimam uma expansão de 6% em 2021.

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino