Argentina vacinará brasileiros na região de fronteira e turistas estrangeiros menores de 18 anos

Argentina vacinará brasileiros na região de fronteira e turistas estrangeiros menores de 18 anos

O governo argentino anunciou uma nova flexibilização para a entrada de estrangeiros no país, a vacinação de turistas menores de 18 anos e de cidadãos de países vizinhos que atravessarem a fronteira por via terrestre, incluindo brasileiros nas regiões limítrofes com o Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

"A Argentina tem disponibilidade de vacinas para poder vacinar os turistas que entrarem no país e para as estratégias de vacinação de províncias limítrofes, de vacinação nas fronteiras. Estamos trabalhando com essas jurisdições de fronteira", anunciou a ministra da Saúde da Argentina, Carla Vizzotti, em coletiva de imprensa.

O anúncio surpreendeu, já que o nível de vacinação dos próprios argentinos ainda está distante da imunidade coletiva. No entanto, a ministra indicou que não faltarão imunizantes para a população: "Temos estoque suficiente de doses de vacinas para todos os argentinos em todas as etapas da vida", garantiu Vizzotti.

A vacinação de turistas estrangeiros visa, basicamente, os adolescentes, já que os adultos só podem entrar no país se apresentarem o esquema completo de imunização com, pelo menos, 14 dias desde a segunda dose.

"A medida é fundamentalmente para os menores de 18 anos, aqueles que vão poder entrar sem a vacinação por turismo. Também aqueles turistas maiores de 18 anos que visitarem o país dentro de alguma exceção", acrescentou a ministra da Saúde.

Turismo de vacinas

Ao lado de Vizzotti, o ministro do Turismo, Matías Lammens, interpretou a decisão como uma atração para o chamado "turismo de vacinas". "Será um atrativo enorme para os turistas de todo o mundo para que nos visitem. O turismo receptivo para a economia nacional é determinante. Em 2019, foi o quarto item na geração de divisas", apontou Lammens.

Para a Argentina, a presença de estrangeiros na região de fronteira é fundamental para reativar a economia local. A desvalorização acumulada do peso argentino em mais de 200% nos últimos dois anos barateou produtos e só não funcionou como um ímã para os países vizinhos porque a Argentina manteve as fronteiras terrestres fechadas durante 18 meses.

Requisitos vigentes

O ministro também anunciou uma nova eliminação de um requisito para a entrada de turistas do exterior. Não será mais exigido o segundo exame de PCR entre o quinto e o sétimo dia depois da chegada ao território argentino.

Para quem vinha do exterior, eram necessários três exames: um PCR negativo até 72 horas antes do embarque, em linha com o exigido pela maioria dos países. Porém, além desse, a Argentina exigia um teste rápido, feito no aeroporto a todos os que aterrissavam no país e, entre cinco e sete dias depois, um novo PCR.

Desde o dia 19 de outubro, o teste rápido no aeroporto foi eliminado. A partir de agora, o PCR de uma semana depois também deixará de ser exigido. As únicas obrigações serão um PCR negativo de até 72 horas antes do embarque e o esquema completo de vacinação para os maiores de 18 anos.

No dia 1º de outubro, as fronteiras argentinas foram abertas aos cidadãos de países vizinhos: Brasil, Uruguai, Paraguai, Bolívia e Chile. No próximo 1º de novembro, serão abertas a todos os estrangeiros, sem exceção.

Atualmente, 55,4% dos argentinos estão completamente vacinados e 72,6% possuem a primeira dose. O país acumula 5,281 milhões de casos dos quais 115.851 faleceram.

O número de contaminações tem diminuído substancialmente, mas, nos últimos dias, essa queda foi interrompida. Em algumas províncias, houve um incipiente aumento de casos, especialmente da variante Delta, responsável por 60% dos novos contágios.

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino