Acuado, Ernesto vai às redes acusar Kátia Abreu de lobby em favor do 5G da China

Acuado, Ernesto vai às redes acusar Kátia Abreu de lobby em favor do 5G da China

A publicação tenta endossar a narrativa de que, sem ele no governo, o caminho estaria livre para os asiáticos; Kátia Abreu rebate: 'Brasil não pode continuar tendo a face de um marginal'

Pressionado pelo Congresso e vários outros setores da sociedade para deixar seu posto, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, resolveu contra-atacar o Senado, após parlamentares cobrarem publicamente sua demissão. O chanceler divulgou nas redes sociais o conteúdo de uma conversa reservada com a senadora Kátia Abreu (PP-TO) durante um almoço no Itamaraty, insinuando que ela teria defendido interesses da China.

"Em 4/3 recebi a senadora Kátia Abreu para almoçar no MRE. Conversa cortês. Pouco ou nada falou de vacinas. No final, à mesa, disse: "Ministro, se o senhor fizer um gesto em relação ao 5G, será o rei do Senado." Não fiz gesto algum", escreveu Ernesto em sua conta no Twitter neste domingo. "Desconsiderei a sugestão inclusive porque o tema 5G depende do Ministério das Comunicações e do próprio Presidente da República, a quem compete a decisão última na matéria".

A publicação deste domingo tenta endossar uma narrativa sustentada nos bastidores por aliados do chanceler sobre qual seria o motivo de sua "fritura", a de que, sem ele no governo, o caminho estaria livre para os asiáticos entrarem no mercado brasileiro do 5G. Parte da equipe de Ernesto entende que o ministro virou um para-raio e sofre lobby contrário de chineses, que intensificaram o diálogo direto com o Congresso e reclamaram dele para o presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL).

Há, no entanto, uma avaliação generalizada e vocalizada de que Ernesto é responsável pelo fracasso das negociações internacionais para a compra de vacinas contra a covid-19 e isso é o que tem motivado a pressão recente pela sua saída do cargo. A gestão dele à frente da política externa brasileira está sendo contestada e reprovada não só pela cúpula do Congresso, mas também por economistas, empresários, militares, governadores, prefeitos e até por diplomatas.

A empresa chinesa Huawei é uma das interessadas em atuar na tecnologia de quinta geração (5G) de telefonia no Brasil. Ernesto, no entanto, já expressou apoio a uma iniciativa do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump para que países aliados excluíssem de suas redes equipamentos de indústrias consideradas por eles pouco seguras, como a da companhia asiática. No ano passado, Ernesto se envolveu em polêmica com o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, no mesmo tema. Em novembro, o chanceler saiu em defesa do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que, nas redes sociais, havia associado o governo chinês à "espionagem" por meio da tecnologia 5G. Na ocasião, o presidente Bolsonaro chegou a elogiar Ernesto pela iniciativa.

A senadora Kátia Abreu é presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, onde cresce um movimento para barrar a análise de qualquer indicação de embaixador - prerrogativa do colegiado - enquanto Ernesto continuar como ministro do governo de Jair Bolsonaro.

"É uma compreensão que passa por todos os membros da comissão. É uma forma de pressionar o governo a substituir o cidadão que é totalmente incapaz de dirigir o nosso Itamaraty. A forma é essa, não apreciarmos nenhuma indicação de embaixador do Brasil no exterior até isso estar resolvido", afirmou o senador Randolfe Rodrigues (AP), líder da Rede no Senado.

A oposição e o Centrão trabalham juntos pela saída de Ernesto. Na sexta-feira, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), avisou Bolsonaro de que o Congresso não dará trégua enquanto não houver mudança na condução da política internacional. Os dois tiveram uma conversa na residência oficial do Senado, mas Bolsonaro admitiu disposição de dispensar agora somente o assessor especial para Assuntos Internacionais, Filipe Martins, que é investigado pela Polícia Legislativa por causa de um gesto feito por ele durante uma sessão no Senado que foi interpretado como expressão da "supremacia branca".

O presidente da Frente Parlamentar Brasil-China, deputado Fausto Pinato (PP-SP), vê a permanência de Ernesto no governo como um empecilho para o Brasil conseguir ampliar a compra de insumos e vacinas para combater a pandemia. "A não saída do Ernesto dificulta vacinação, dificulta insumo, tudo", disse Pinato. "Chegamos em um momento, que antes de conseguirmos realmente combater essa pandemia, nós temos que combater um vírus pior que é essa ala ideológica que deixou o País ilhado e isolado e, principalmente, esses soltadores de fake news nas redes sociais confundiram a cabeça do povo".

Outro lado
Procurada, a senadora chamou o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, de "marginal" em uma resposta dura à acusação do chanceler de que a senadora teria defendido interesses da China durante um almoço entre os dois. Kátia disse que Ernesto "insiste em viver à margem da boa diplomacia" e "à margem da verdade dos fatos" e cobrou a demissão do ministro.

"O Brasil não pode mais continuar tendo, perante o mundo, a face de um marginal. Alguém que insiste em viver à margem da boa diplomacia, à margem da verdade dos fatos, à margem do equilíbrio e à margem do respeito às instituições. Alguém que agride gratuitamente e desnecessariamente a Comissão de Relações Exteriores e o Senado Federal", escreveu a senadora em nota distribuída à imprensa neste domingo, 28.

Senadores criticam Ernesto e voltam a pedir sua demissão
O presidente do Progressistas, senador Ciro Nogueira (PI), lamentou a criação da celeuma. "No momento em que há um grande esforço para a pacificação e o entendimento, lamento muito que justamente o responsável por nossa diplomacia venha a criar mais um contencioso político para as instituições. O Brasil e o povo brasileiro não merecem isso", escreveu Nogueira no Twitter.

O senador Weverton (PDT-MA) disse que "já passou da hora de Ernesto Araujo ser demitido do Itamaraty" e que ele, para se manter no cargo, abre uma guerra de fake news contra senadores.

"Encurralado pela péssima gestão à frente da política externa brasileira, principalmente na compra de vacinas, Ernesto Araujo tenta se manter no cargo abrindo uma guerra de fake news contra senadores sérios como @KatiaAbreu", escreveu Weverton na mesma rede social. "Não vamos aceitar mais esse desrespeito contra o Senado Federal e o Congresso Nacional. Táticas de mobilização, com cortinas de fumaça, não funcionarão. Já passou da hora de Ernesto Araujo ser demitido do Itamaraty", completou.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, também saiu em defesa da senadora. "A tentativa do ministro Ernesto Araújo de desqualificar a competente senadora Kátia Abreu atinge todo o Senado Federal. E justamente em um momento que estamos buscando unir, somar, pacificar as relações entre os Poderes. Essa constante desagregação é um grande desserviço ao País.", disse em uma publicação no Twitter nesta noite.

Camila Turtelli, Felipe Frazão e Luci Ribeiro

www.prensa.cancilleria.gob.ar es un sitio web oficial del Gobierno Argentino